O rapaz foi queimado. O moço foi amarrado. Quanto eles valem?

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

Pode passar ao largo para a maioria das pessoas a atitude de alguns em relação aos rapazes vítimas de agressões, que precisam ser condenadas em qualquer instância, seja moral, jurídica ou religiosa.

O mundo está cada vez mais próximo, a globalização muito ajudou nesse sentido. Conhecemos mais as pessoas, nos relacionamos melhor e com mais facilidade resolvemos nossas pendências.

Com a mesma intensidade, manifestamos ou repartimos nossas mazelas , incapacidades, fanatismo e violências.

Os fatos em questão são dessa natureza. Quanto vale uma pessoa?

Claro, respondemos, que não tem uma medida certa. Seria ridículo comprar ou vender uma pessoa. Mesmo sabendo que no Brasil foram comprados escravos num passado nem tão distante. Não se tinha certeza se os índios tinham alma. Também muitas pessoas perderam a vida sob tortura, por pensarem diferente e exporem suas ideias.

Quando as pessoas perdem a sensibilidade, o amor, a capacidade de perdoar, de olhar o outro, valorizar o diferente, respeitar a divergência ou algo similar, algo errado está acontecendo. A evolução parece mais distante e a barbárie mais perto.

O aumento da violência contra a mulher no RS largamente denunciada, tortura um jovem e incendiar um imigrante são expressões de um contexto ridículo, algo precisa ser feito.

Quando a normalidade deixa de existir, a conta sobra para os mais pobres, indefesos e sofredores.

Para qual grupo você torce? Qual o valor que dá às pessoas?



Leia Também Contenção de despesas em todas as classes Jaquetas femininas e masculinas inverno 2017 Juiz considera ilegal a cobrança da taxa de saúde suplementar Psicologia Jurídica