A crise, o consumo e o salário dos senadores, deputados, vereadores e juízes

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe
A crise prenuncia mudanças. Precisamos entender quais são e em que medida estamos sendo afetados e podemos interferir nelas?

O Brasil viveu um ciclo de crescimento econômico induzido por políticas públicas e investimento do estado que diminui impostos e facilitou o credito. Vivemos um período de vacas gordas, com crescimento econômico, investimentos estrangeiros, inflação e câmbio sob controle, crédito facilitado, aumento real do salário mínimo e desemprego baixo. Neste período, milhões de brasileiros saíram da miséria. Ocorre que as crises cíclicas da economia e ao mesmo tempo o esgotamento da capacidade financeira do estado para continuar abdicando de impostos e investindo em políticas sociais, está causando a estagnação econômica e aumento do desemprego. Além disso, o crescimento baseado na expansão do consumo mostra o seu lado perverso que é o endividamento.

Para tentar fechar a conta o governo reduz os recursos de programas sociais, mas não reduz os recursos e os altos salários do legislativo e do judiciário, penalizando mais uma vez a base da pirâmide social. Entendo que a opção para sair da crise deveria ser diminuição da distância entre quem consome exageradamente e quem não tem acesso ao mínimo. Além disto, se faz necessário transparência e ética nas relações entre o mercado e o estado. A mudança na política passa pela forma de remunerar os servidores públicos. Os salários do legislativo são exorbitantes, em todos os níveis. Da mesma forma o comportamento conservador e injusto do judiciário, que não é eficiente no combate à sonegação, em especial de grupos especuladores, precisa ser alterado. A centralidade dos recursos financeiros da sociedade deve priorizar ás áreas e os serviços da educação, da habitação, do transporte público e da saúde.

O contexto de crise impõem mudanças, que estão em disputa. Precisamos nos envolver, analisar, dialogar para que a mudança atinja os especuladores, os sonegadores e seus defensores.


Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”