A saúde em Passo Fundo

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

Dona Nelda, liga para a rádio Planalto. Havia agendado uma endoscopia no município para 13 de agosto último. Indo lá no dia 13 de agosto, ficou para 1º de outubro,  porque o aparelho de endoscopia estragou. Ninguém foi capaz de lhe ligar comunicando que não aparecesse. E ela saiu do interior e veio à cidade. Bem, nesse primeiro de outubro não lhe deram mais esperanças de que sua endoscopia se realizará nesse ano. Em seguida liga dona Célia, da Vila Dona Júlia liga para a Planalto, foi ao CAIS ainda em março em busca de um ortopedista. Desde então aguarda ansiosa que alguém da saúde lhe ligue dizendo que a consulta está agendada. Para mim particularmente, nada de novo. Na rádio há 30 anos, sempre foi assim em Passo Fundo. Eu mesmo, esperei dois anos por uma consulta com um cirurgião pediátrico para minha filha, então com sete anos, hoje, com 11, que tinha uma glândula sebácea no peito. Desisti. Paguei a consulta, paguei uma cirurgia, paguei uma segunda cirurgia. Não teve saída.

No mesmo momento das reclamações da dona Nelda e dona Célia, comemorava-se em um café da manhã num dos melhores hotéis  da cidade a notícia da Isto É, de que Passo Fundo tem um dos melhores serviços da saúde, dentre os municípios brasileiros de seu porte. Eu não duvido. A divulgação é fruto de uma pesquisa séria. Mas fico a imaginar como é a saúde nos demais municípios de portes médio e grande desse país.   Bem diferente da saúde nos pequenos municípios. Tem saúde realmente gratuita quem tem a felicidade de residir em Coxilha, Ernestina, Mato Castelhano, Água Santa, Nicolau Vergueiro, Pontão, dentre outros. Esses municípios nem hospitais têm, mas as prefeituras fazem convênios com os hospitais de Passo Fundo e asseguram consultas com especialistas, das mais diversas áreas, dentro de pouquíssimos dias, para todos os seus pacientes. Se os convênios não preveem determinadas especialidades, os prefeitos bancam o custo com particulares. Essas mesmas prefeituras pagam todo o procedimento ou auxiliam no pagamento de cirurgias, quando o SUS não cobre.  

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito