A educação como uma aposta não retórica

Postado por: Cláudio Dalbosco

Compartilhe
A educação como uma aposta não retórica

As soluções possíveis para nossos problemas humanos e sociais dependem em parte da capacidade intelectual que possuímos para compreendê-los, em sua origem, em seu desdobramento e nos efeitos que geram às nossas vidas e à própria sociedade. A compreensão intelectual das coisas é condição indispensável para que possamos nos situar no mundo em que vivemos e traçar com mais clareza os objetivos que pretendemos. Quanto mais capital humano, cultural e intelectual um país possuir, mais preparado está para oferecer melhores condições de vida à sua população.

É a educação, a formação integral e ampla das novas gerações que oferece esta compreensão intelectual das coisas. É por isso que se diz que a aposta na educação das novas gerações é o maior investimento para qualquer país que pretenda encetar o caminho seguro do desenvolvimento social e humano. Mas, para que a aposta na educação não seja uma mera retórica política, de governantes e políticos preocupados com seu coeficiente eleitoral, precisa se traduzir antes de tudo em investimentos econômicos que se revertam na melhoria salarial dos professores, na sua formação docente continuada, na melhoria da infra-estrutura.

Contudo, a ação firme do Estado no investimento educacional precisa vir acompanhada por mecanismos de responsabilização dos professores. O investimento econômico precisa se traduzir na melhoria objetiva dos resultados educacionais, em todos os níveis: no avanço da qualidade da Educação Básica, no enfrentamento pedagógico do crasso problema do analfabetismo funcional.

Parte desta responsabilização precisa partir do próprio professor. É uma questão de dignidade humana e, portanto, de uma questão ética, antes de tudo, o professor ter condições adequadas de trabalho, incluindo entre elas, a boa remuneração. Também parece ser indiscutível, como exigência ética, que o professor se coloque na situação, assumindo suas responsabilidades. Não pode renunciar, deste modo, o compromisso com o aluno e a melhor forma de respeitá-lo ainda continua sendo seu compromisso com o conhecimento. Preparar e dar boas aulas é o núcleo de sua responsabilização pela educação.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”