A Fantasia dos Inconformados

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe
O afastamento, na atual situação brasileira, de uma presidenta, só pode ocorrer no fim de um processo rigoroso, apoiado em provas incontestáveis. Este é o reiterado posicionamento do jurista Dalmo Dallari a disposição para quem deseja fazer bom uso da internet (https://www.youtube.com/watch?v=Mv2VTPgAAGY). Na opinião do jurista, não se pode querer afastar uma presidenta, sem provas que a vinculem diretamente a atos criminosos, como por exemplo desviar recursos públicos para interesse privados. Por outro lado, entre os argumentos utilizados pelos inconformados com o projeto de gestão estatal iniciado por Lula, um trabalhador nordestino, sem faculdade, que não admite a existência de um ser humano sem acesso a três refeições diárias, estão as fantasias sobre a ilegitimidade da última eleição e sobre as pedaladas fiscais.

Em respeito ao que define a Constituição, a legitimidade do processo eleitoral pode ser questionada no prazo de até quinze dias após a diplomação do candidato eleito, as eleições foram disputadas, mas já terminaram. Em respeito a caracterização do que é um crime, não é plausível considerar a “contabilidade criativa” ou as “pedaladas fiscais”, com desvio de recursos públicos para interesses particulares. Este mecanismo foi utilizado para honrar compromissos com programas sociais, como minha casa minha vida e o bolsa família e não para beneficiar interesses particulares da presidenta ou seus familiares. Governos anteriores usaram o mesmo mecanismo e tiveram as contas aprovadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU)

Considerando que não existe motivação jurídica para o afastamento da atual presidenta, se faz necessário ignorar/superar a atual crise brasileira (em grande medida potencializada pela fantasia dos inconformados) para que a economia e a estabilidade social do nosso país deixem de ser ameaçadas.



Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito