Minas Gerais, Paris, o mercado, o lucro e os sentidos para a vida

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe
Estávamos buscando recursos para entender as causas e as consequências do desastre ocorrido em Minas Gerais, decorrentes do alagamento tóxico que causou grandes danos sociais e ambientais. Sem explicação satisfatória para este desastre, fomos surpreendidos com um novo fato, de maior impacto, por atingir a cidade de Paris e causar a morte de mais de uma centena de pessoas. Ao me informar sobre as leituras e os sentidos dos fatos ocorridos em Paris, destaco a manifestação de uma pessoa inteligente que diz não ter uma interpretação e que está sentindo o acontecimento. No entanto, ouso pensar e registar uma interpretação para os dois acontecimentos.

A responsável e a responsabilizada pela tragédia de Minas Gerias deve ser a Vale do Rio Doce. Trata-se de um empresa mineradora de origem estatal e que foi privatizada, transferida para o mercado, pelo presidente Fernando Henrique Cardoso. Uma pergunta a ser feita é quais são as prioridades de uma empresa privada, evidenciadas no drama vivenciado em Minas Gerais? Certamente a atenção e o investimento em segurança social e ambiental não foram incluídas como prioridades, parece que o desejo de altos lucros predominou nesta atuação do mercado.

Para interpretarmos os fatos do último dia 13 em Paris, se faz necessário relacioná-los com outros acontecimentos. Ao reconstruirmos fatos históricos, como o conjunto das ditaduras, em especial na América Latina, perceberemos que os Estados Unidos colocaram seus interesse econômicos e políticos acima da vida humana. A interferência, por exemplo, na ditadura de 1964 no Brasil demonstra a consistência deste raciocínio. Ocorre que o fim do ciclo ditatorial não significa fim da interferência dos Estados Unidos na vida social do nosso pais. O exemplo mais constrangedor deste fato é a espionagem, no planejamento estratégico da Petrobras e na escuta clandestina nas comunicações da Presidenta Dilma.

Outros fatos com diversas explicações, também podem auxiliar na interpretação do ocorrido em Paris. As diversas teorias para explicar os fatos ocorridos nos Estados Unidos no 11 de setembro e sobre a queda do avião que causou a morte de Eduardo Campos em 2013 no Brasil, podem servir de pistas para buscar explicações sobre o que aconteceu em Paris. Entre as diversas explicações para estes acontecimentos está incluído os Estados Unidos e seus aliados como corresponsáveis, por interferência clandestina e atuação com poderosas armas usadas para destruir a vida.

Por fim, os acontecimentos de Minas Gerias e de Paris devem alertar para a necessidade de colocarmos a vida como prioridade em relação aos interesses do mercado, do lucro e do poder político.





Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito