O mundo menos ou mais seguro

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe
O pavor dos ataques em Paris toma conta de muitos comentários. De fato é uma ação que parece pior que a barbárie retratada na natureza quando são vinculadas imagens das disputas entre animais inimigos, famintos ou disputando território.

Líderes que usam pessoas para atos terroristas não merecem a característica de humanos. Os que conscientemente se “matam” para fins dessa natureza, estão na mesma consideração. Da mesma forma, as religiões que justificam essas ações perdem a legitimidade. Ou mudam, ou deveriam fechar.

Como acreditar num Deus que manda matar? Ou que se alegra com a morte de homens, mulheres e crianças?

Tem algo de errado nisso.

O fanatismo é doentio em todas as áreas.

Outrossim, a perda da sensibilidade é lamentável e tem consequências graves. Por exemplo, poucos falam e divulgam as desgraças que atingem a África, regiões do Oriente Médio e da América Latina, também vítimas do terrorismo e do fanatismo político e religioso.

Aqui no Brasil as mortes no trânsito e pela ação do tráfico passam como se nada estivesse acontecendo.

Acabar com a violência é impossível. Mas sermos um pouco mais humanos, tolerantes e sensíveis é possível.

[sugiro a leitura: http://www.ajuris.org.br/OJS2/index.php/REVAJURIS/article/view/389].



Leia Também Ascensão do Senhor Delações, invasões, desocupações e manifestações Não matarás Estamos no auge da sujeira ou no início da limpeza?