Os acontecimentos da França e os modos de viver

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe
O passado apresenta informações para quem deseja entender o presente. Em um passado recente, aproximadamente cinco séculos atrás, o modelo medieval de sociedade foi gradativamente substituído por uma nova era denominada de idade modera. Esta nova era, também chamada de modernidade, prometeu a emancipação humana, através da razão do conhecimento e da ciência. A junção do conhecimento com a ciência possibilitou a construção de tecnologias que facilitaram a vida e proporcionaram mais conhecimentos. Este círculo virtuoso encantou, seduziu e se impôs como modo superior de viver.

No entanto, alguns acontecimentos do último século, como as duas guerras mundiais, o holocausto, as mortes e a destruição causada em 11 de setembro nos Estados Unidos e em 13 de novembro na França, reforçam a necessidade de repensar as relações entre o conhecimento científico, a tecnologia e as diversas formas de vida. Neste repensar as relações está incluído o princípio de convivência não destrutiva entre o que é classificado como menos desenvolvido ou inferior. O exemplo mais ilustrativo da necessidade de repensar os modos de vida, advém da relação entre homem e natureza. Nesta relação, até recentemente predominava a superioridade do homem e do desenvolvimento, sem preocupações com a crescente destruição da natureza. Esta relação dominadora e predadora do homem para com a natureza está sendo substituída por uma nova relação legitimada por leis rigorosas que defendem a preservação e a convivência harmoniosa com a natureza.

A história mostra que a relação de destruição do homem para com a natureza causa prejuízo e ameaças para a humanidade. Talvez, este seja um aprendizado para uma nova orientação das relações entre as culturas humanas consideradas mais desenvolvidas, como a francesa e a norte americana, com as formas de vida existentes em alguns países do oriente médio. A utilização da superioridade tecnológica, feita por países considerados desenvolvidos, com invasão, dominação e destruição de alguns países do oriente médio, não viabilizou benefícios de mais segurança. Da mesma forma que está sendo legitimado um novo modo de convivência entre homem e natureza, se faz necessário legitimar uma nova forma de convivência entre as culturas consideradas mais desenvolvidas e as culturas que ainda não estão usufruindo os benefícios dos conhecimentos modernos.

Estes novos modos de viver e as novas formas de se relacionar devem ser orientados pela legitimação de diversos conhecimentos e pela preservação da vida.





Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”