Sobre as implosões dos governos nos países não alinhados

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe
Tive, recentemente, a oportunidade de assistir uma palestra, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGS) e ler entrevistas de Raul Capote. http://www.sul21.com.br/jornal/ex-agente-duplo-conta-como-a-cia-promove-guerras-nao-violentas-para-implodir-governos/ Trata-se um ex-agente da CIA (Central Intelligency Agency – Agencia de inteligência do Estados Unidos) e atual professor de história da América Latina em Cuba. Uma das afirmações de Raul Capote me deixou pensativo. Nesta afirmação ele declara que a CIA promove guerras não violentas para implodir governos de países não alinhados com os interesses dos Estados Unidos. Existem vários exemplos associados com esta análise na última década, especialmente nos países do Oriente Médio como é o caso da Síria. Neste meu comportamento pensativo surgiu uma interrogação: O que o Brasil e nós brasileiros temos a ver com isto?

Independentemente da nossa capacidade de identificar a causa ou o autor, o fato é que vivemos uma crise de governo ou um não governo no Rio Grande do Sul e no Brasil. O caos no governo estadual e nacional estão evidenciados na mediada que a atuação das lideranças não demonstram capacidade de indicar caminhos de prosperidade para os gaúchos e para os brasileiros. Associado a este caos já instalado, fomos bombardeados nacionalmente, com as notícias de Passo Fundo, Rio Grande do Sul, que acabaram com a carreira política de uma liderança regional expressiva, o ex-deputado Diógenes Basegio. No âmbito federal, as lideranças estão desorientadas e sem capacidade para aprovar medidas, no congresso nacional, que sinalizem um rumo para o Brasil. Culminado este ciclo que diminui o já baixíssimo índice de respeitabilidade, de credibilidade e de aceitabilidade das lideranças e dos partidos, constantemente recebemos notícias da prisão de políticos e de empresários e até de um banqueiro.

Vivemos o caos do desgoverno em que os pilares da governabilidade estão sendo gradativamente destruídos. O desgoverno se evidencia na falta de ação do Poder Executivo, na figura do presidente da Câmara do Deputados, que está sendo julgado pela comissão de ética e agora com um senador preso no exercício do seu mandato. A sensação dominante é que não temos a capacidade de eleger nossos governantes, por isto estamos sem governo.

É fato que existe inúmeros casos de ilegalidade e de imoralidade que envolvem políticos e empresários que se beneficiam indevidamente de recursos públicos. Estes casos devem ser devidamente investigados e julgados na forma da lei. No entanto, é válido investigar se não estamos sendo seduzidos e dominados, por fatos estrategicamente construídos e divulgados, através de uma articulação entre setores da policia federal, do judiciário e da imprensa, com o objetivo de instalar um governo para enquadrar um pais não alinhado.


Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito