Como agir com o adolescente infrator: Repressão ou prevenção?

Postado por: Clovis Oliboni Alves

Compartilhe
A violência entre os jovens, só será reduzida quando implantarmos de fato, políticas públicas de inclusão social, onde crianças e adolescentes sejam vistos como a geração que irá garantir o nosso futuro, onde a criança que hoje poderia estar em uma creche ou escola, com um custo para a sociedade muito menor do que um adolescente infrator, precisa ser tratada com prioridade pelos gestores. As políticas de inclusão social, são políticas com resultados de médio há longo prazo, porém, são de resultados efetivos, pois dificilmente iremos ver um jovem capacitado, com bom nível de escolaridade, sendo aliciado pelo crime.

Será preciso resgatarmos valores em nossa sociedade, que literalmente estão se perdendo, principalmente no que se refere a família, que é indiscutivelmente a base da formação do caráter e personalidade de uma pessoa, por isso, não devemos tentar delegar a escola a missão de educar, esta pertence aos pais, a família, e, para a escola fica a tarefa de transmitir o conhecimento, porém, fica ao estado a responsabilidade de oferecer as condições mínimas necessárias para que a família tenha acesso a saúde, educação, qualificação, segurança...

Precisamos dar condições iguais ao filho do Doutor e ao filho do Gari, só assim estaremos fazendo justiça social, colocando em pé de igualdade a todos, fazendo com que as oportunidades estejam acessíveis de maneira difusa.

O custo para a sociedade de um jovem que se encontra envolvido na criminalidade, nas drogas e prostituição, é extremamente alto, sem falar nos baixos índices de ressocialização obtidos neste processo, ficando evidente que o caminho a ser seguido, pode e deve ser o da prevenção, da inclusão e da criação de oportunidades para todos.

Leia Também A Justiça injusta 12º Domingo do Tempo Comum O legal, o justo e o moral Semana do Migrante