Dinheiro público para artistas ricos fazerem shows

Compartilhe

É revoltante ver a lista de artistas contemplados com recursos públicos do governo federal, através da lei Rouanet(homenagem ao mentor da lei Sergio Paulo Rouanet, secretário nacional de cultura em 1991), sob a alegação de que irão promover a cultura.

Desde o governo Collor, quando a lei foi criada, são canalizados  milhões e milhões  de reais para artistas famosos fazerem shows e ainda cobrarem do povo. Pegam milhares de reais e distribuem meia dúzia de ingressos para “justificar” a benesses. Apenas para se ter uma ideia nos últimos anos, aprovaram R$ 4,1 milhões para Luan Santana, R$ 1,3 milhão para Maria Bethânia, R$ 5 milhões para Cláudia Leite, teve até R$ 9 milhões para um circo estrangeiro(Cirque Du Soleil), R$ 1,3 milhão para uma produtora fazer um filme sobre a vida do corrupto José Dirceu, muitos meio milhões de reais para alguns meninos que cantam funk e por aí afora. Tudo em nome da cultura.

Trata-se de uma evasão de receita institucionalizada. Um colegiado reúne-se, aprova essas barbaridades, e o interessado, que normalmente já tem o patrocinador acertado, vai atrás da empresa que doa a montanha de dinheiro e depois abate no imposto de renda, ou seja, evasão de divisas. O Estado  deixa de arrecadar esse dinheiro que poderia ser muito melhor empregado. Enquanto isso não há dinheiro para, verdadeiramente, promover a cultura como foi o caso da Jornada de Literatura de Passo Fundo. O Festival do Folclore até consegue algum recurso, mas não impede que os organizadores andem perambulando por aí contando com o voluntariado.

É recurso público, travestido de dinheiro privado, servindo aos caprichos de quem está ao redor do poder.

Uma inversão de prioridades, enquanto falta dinheiro para comprar remédio para a população, que permanece dois anos esperando para agendar uma consulta pelo SUS, milionários se locupletam com dinheiro de impostos.  

Leia Também Governador eleito caindo na realidade Bolsonaro, 2019!!! Comer doce vicia? 560 mil quilômetros de histórias e contando