Governador, devolva meu dinheiro!

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

            * Jornalista Dilerman Zanchet.

Governador Sartori, devolva meu dinheiro, pois eu não sou responsável (Não está escrito em lugar nenhum, tanto na Constituição Federal, como em minha Certidão de Nascimento e nem na Bíblia), e nem obrigado a manter a estrutura do Estado, em nenhuma das suas esferas. Sim senhor, governador: Não quero e não acho justo pagar a conta de tanta incompetência, seja sua ou dos governos anteriores – e quando me refiro a governo, incluo aí a esfera federal, cujos mandatários, em mais de 500 anos, não conseguiram reduzir a máquina administrativa, aumentando assim os impostos que nós – eu e os demais cidadãos de bem, pagamos e não temos retorno algum. Aliás, temos sim. O retorno que obtemos é o de ver funcionários públicos, em alguns setores, ganhando mais, muito mais que ganharia se estivesse no setor privado. Com regalias que eu jamais alcançarei jamais na iniciativa privada. Há sim: Se eu e mais os milhões de brasileiros saíssem da iniciativa privada para compor os quadros públicos, o que seria desse país?

E o senhor não abe dizer outra coisa? Já faz um ano, governador, que o senhor assumiu com a promessa de mudar isso. E não me fale em milagres, por favor. O senhor não abastece? Não paga luz, água, gás?

Mas, enfim, a conversa é entre nós: esse humilde escravo das letras e Vossa Excelência, Governador do Estado. Há alguns meses chegou à sua mesa um artigo meu (sei que chegou, pois tenho minhas fontes), implorando pela venda de estatais deficitárias e inoperantes. Queria eu, como um gaúcho de coração, que o senhor, ao menos, tivesse a ousadia de propor publicamente a extinção de algumas dessas coisas que chamamos de “cabide de empregos”. Nas últimas horas do ano, porém, enviou à Assembleia (que o senhor tem na mão e, por isso, nem tão independente assim como alardeiam), um projeto – aprovado, extinguindo a Cesa, mas deixando existir Daer, Corag e outras tantas autarquias que nada fazem pelo Rio Grande. E se o fazem é muito pouco.

Por isso que, repito, devolva meu dinheiro, governador. O senhor não pensou no povo gaúcho quando deixou de propor ao Legislativo a redução de cargos, salários e benesses, mudando uma lei arcaica que só beneficia a alguns. Também nada fez em relação ao outro poder, o Judiciário, que não fica muito atrás quando se fala em benefícios.

O pior, governador: Acreditamos (eu e a maioria do povo gaúcho), que o senhor seria uma espécie de tábua salvadora dos desmandos que estavam ocorrendo no Rio Grande do Sul, quando aumentaram salários no apagar das luzes, sucatearam a estrutura toda, quebraram o caixa, quebraram cancelas de pedágios e usurparam nossa confiança. Acreditamos que haveria solução e que o senhor, candidato que era, saberia como lidar com isso. A grande decepção foi essa. Viramos o ano pagando mais. E muito mais.

Pagar quase 60 centavos a mais pela gasolina, mais em IPVA, mais em telefonia, mais em luz, água, termos menos e piores estradas, serviços, etc em relação à Santa Catarina, nos soa quase como uma vergonha, governador. Essa zombaria tem que acabar. O povo gaúcho não merece isso. O caminho para resolver o senhor, como governador, já deveria saber. É só criar coragem. Deixe a Tumelero resolver os problemas dela. E deixe o povo gaúcho um pouco – só um pouco, feliz, governador.

Envie outro projeto para a Assembleia, que o senhor tem em mãos: Mande um para reduzir alíquotas e impostos. Deixe o povo que o elegeu um pouquinho feliz. Até quem não votou no senhor, ficará.

Por favor, devolva meu dinheiro, governador.


Leia Também Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade Corrupção – recursos recuperados serão utilizados para saúde e educação