O Futuro parece ser melhor

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe
O Esporte Clube Passo Fundo acerta ao mudar sua comissão técnica, era inevitável. Não que o Ben-Hur Pereira não tenha qualidades o suficiente para comandar o time no Gauchão, tem sim, só que não deu liga, não encaixou, alguma coisa deu errado. O futebol é assim, nem sempre o melhor vence, nem sempre as coisas saem como o desejado, nem sempre o que se planeja dá certo. Infelizmente não deu, tenho certeza que a direção e o próprio Ben-Hur fizeram tudo da melhor maneira possível, mas, por algum motivo, dentro do campo o time não fluiu. A direção foi rápida, fez o que precisava ser feito, Paulo Porto chegou, é um técnico que já foi campeão, já fez boas campanhas com equipes do interior, tem tudo para ajustar o Passo Fundo, tirar da zona do rebaixamento e começar a pensar em classificação.

Junto com o Paulo Porto, chegou também o Julio César Nunes, treinou o Gaúcho na segunda divisão em 2015, foi campeão da Copa Serrana com o Passo Fundo em 2013 junto com o Luiz Carlos Winck. É um profissional de muita qualidade. O que o traz para o Passo Fundo me anima, além de auxiliar a equipe profissional irá organizar as categorias de base, formar uma equipe sub 20. A ideia é que o Passo Fundo dispute todos os campeonatos de base da Federação. Excelente! É da base que saem bons jogadores, e daí que poderá surgir um grande jogador. O investimento na base, sempre terá resultados positivos. E o Passo Fundo acerta em investir na base e acerta no profissional escolhido para a função.

O Grêmio venceu mais uma, gol de Douglas, o ano começa bem, surgiram algumas contratações, Luan e Everton se destacando, parece que será um ano melhor. Vamos ver se esses resultados e
boas atuações aparecem também na Libertadores.

O D'Ale foi, já não era sem tempo! Já estava fazendo hora extra no Inter. Mas deixou sua marca, não só nos colorados, mas no futebol gaúcho, desde Danrlei que não se via pelos campos gaúchos um jogador com tal identificação com um clube. O D'Ale não aceitava perder, o D'Ale fazia o que fosse preciso para ver o inter vencer, inclusive apitar o jogo! O D'Ale provocava, irritava, tumultuava, mas só fazia isso porque ele não era apenas mais um jogador do Internacional, fazia porque ele era um torcedor dentro de campo, porque ele sabia o quanto era importante vencer um Grenal, porque sabia o que representava vestir a camiseta do Sport Clube Internacional! O futebol precisa de mais D'Alessandros, de mais jogadores que respeitem o clube que os paga, que honrem a camisa do time, que não se conformem com a derrota. Todas essas qualidades do D'Alessandro fizeram que as poucas vitórias em Grenais que tivéssemos contra ele, fossem ainda mais saborosas! Seja feliz D'Alessandro, mas longe daqui!

O futuro parece ser melhor, para o Passo Fundo e para o Grêmio.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”