A mãe, o pai e os irmãos

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

A honrosa missão, vocação ou responsabilidade de gerar e criar filhos tem inúmeras recompensas, compromissos, desafios e consequências. A maioria das famílias carrega satisfações em relações aos seus membros, entretanto existem percalços que são de difícil explicação e entendimento.

As companhias, o ambiente de corrupção no país, os maus exemplos, a falta de firmeza dos pais, os valores enfraqueceram e quantas outras razões para dizer o que não se pode entender. O fato é que nenhum pai e mãe geram filhos para vê-los perdidos na rua da amargura.

Difícil e improvável que possamos ou devamos falar dos outros. Afinal, nossas famílias normais estão recheadas de problemas. Nessa e em muitas outras situações vale a lição do Evangelho - “quem não tiver problemas graves em sua família que atire a primeira pedra”. Portanto, muito cuidado com os comentários e julgamentos. Francisco nos lembra desde o final do ano passado: “que a misericórdia anteceda o julgamento”.

As necessárias ações da polícia de investigação, repressão e, posterior, julgamento de situações de violência e tráfico de qualquer natureza em curso na cidade, região e no país não podem ofuscar nosso dever de olharmos e tratarmos as pessoas com a dignidade devida e o rigor necessário.

Um caso emblemático chamou minha atenção numa oportunidade que recebi uma mãe “em pânico”: Quatro filhos bem encaminhados e o último com uma “imensa ficha policial” como se diz no senso comum. Continuemos acreditando e tendo orgulho das nossas famílias. Porém, saibamos que são todas normais.


Leia Também Ascensão do Senhor Delações, invasões, desocupações e manifestações Não matarás Estamos no auge da sujeira ou no início da limpeza?