RS-324 x Secretário Pedro Westphalen

Compartilhe

Diz o produtor rural de Pontão e presidente do Sindicato Rural de Passo Fundo, Jair Rodrigues, “em alguns trechos da RS-324 não há como desviar dos buracos tem de escolher os menores e tentar passar por dentro para seguir viagem”.  É um problema do secretário estadual dos transportes Pedro Westphalen, tão lerdo nessas ações e tá ágil em outras,  nocivas à sociedade.

Os produtores rurais tiveram que parar a colheita para ir protestar na rodovia pedindo uma operação  tapa-buracos urgente.  E esse estado balofo, o 4º maior arrecadador de impostos da federação,  que existe para pagar folha e regalias, não tem se quer uma tombeira velha e algumas pás de asfalto para atender a uma atenção básica.  Empresas se recusam em enviar caminhões para entrega de mercadorias em Pontão e Ronda Alta devido a  precariedade de estrada.

No 2º ano de governo,  Sartori não conseguiu se quer realizar uma licitação para concessão da referida rodovia que diz ser prioridade, a 1ª a ser concedida para a iniciativa privada cobrar pedágio e pelo menos consertá-la.  Nem a lei foi criada. Porque não quis, pois aprovou projetos mais difíceis. Aliás, para aprovar esses projetos, nocivos à sociedade, ao setor produtivo,  aí o secretário Westphalen foi  ágil. Em poucas horas ele exerceu  uma das políticas, legais, mas da mais baixa qualidade e imoral, se demitiu  do cargo de secretário e, ligeiramente, toma seu  assento de deputado na Assembleia Legislativa, para ajudar a aumentar impostos. Com a mesma rapidez, após o golpe no  povo gaúcho, retomou  ao seu cargo no governo. Bom que se lembre,  fazendo coro com o  colega da agricultura, Ernani Polo. Pior ainda para dois políticos de um partido (PP) que sempre defendeu menos intervenção do estado e “pleno”  apoio à economia de mercado.

Ligamos para o DAER em busca de uma informação sobre a situação da RS-324. Nos pedem um e-mail com o pedido de entrevista. Em 30 anos de reportagem, jamais me deparei com essa exigência no DAER. É a imposição da burocracia para negar informação à sociedade. Não tem dinheiro para tapar alguns buracos, mas sim para manter casa de R$ 2 milhões para superintendente(caso de Bento Gonçalves) e dezenas de casas nas praias gaúchas para seus servidores.  

Leia Também História sem fim Ausentes fisicamente, mas presentes na memória! STJ mantém decisão que afasta IR em uso de software por empresa Esperando demônios