-Liturgia do quarto domingo da Quaresma - 06/03/2016.

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
-Salmo 33(34),9a. - PROVAI E VEDE COMO O SENHOR É BOM.
Ele é bom e misericordioso porque nos ama infinitamente e sempre nos perdoa e acolhe amorosamente.
Aproxima-se a grande festa cristã, a PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO, um Deus que vence a morte e consequentemente traz para todos nós uma Vida Nova e a certeza da Salvação. Ainda é tempo de nos reconciliarmos consigo mesmo, com os outros e com todas as situações que nos afastaram do convívio do Senhor. QUARESMA- perdão e recomeço.
Primeira leitura do livro de Josué 5,9a.1-12 - Celebração da Páscoa dos israelitas na terra prometida comendo os frutos desta terra e celebrando sua libertação por obra do Senhor Deus.
Segunda leitura - 2Coríntios 5,17-21 - nesta leitura Paulo afirma que, se uma pessoa estiver em Cristo, há algo novo nascendo. 
A existência da nova criatura implica novo modo de vida. Somos novas criaturas por causa da graça e a fé bem firmada em Cristo Jesus. A velha natureza que dominava e condenava foi substituída pelo novo. Cristo pagou nossa dívida e reina em nossos corações.. Nossos conceitos de vida foram renovados e tudo a partir de Cristo tem sentido novo. 
-EVANGELHO: Lucas 15,1-3.11-32
Este evangelho, a parábola do filho pródigo, sempre nos questiona muito e particularmente nos leva a pensar em qual situação nos enquadramos: o filho mais velho que nunca abandonou o seu Pai ou o filho mais novo que sai da casa paterna, fracassa e volta para o seu convívio recebendo o perdão de suas faltas? 
Sabemos que todos somos passíveis de erros e necessitamos da acolhida e do perdão inúmeras vezes. Tanto os filhos que ficam em casa, fiéis ao dever, porém, talvez mais por hábito que por amor e, portanto, incapazes de se alegrar com a volta de quem estava ausente e perdido e aqueles que buscaram, aventureiramente e prodigamente a sorte, indo para o mundo em busca de algo novo. 
Todos precisam do perdão, mesmo em medida e formas diversas. São felizes os que, humildemente, o reconhecem, sentem a necessidade de reconciliar-se com Deus Pai, converter-se sempre mais ao Seu amor e ao amor dos irmãos. 
PARA REFLETIR: Consigo reconhecer minha condição de filho muito amado de Deus? Quais os momentos mais difíceis para reconhecer esta condição?  

Leia Também Líderes da Pastoral da Pessoa Idosa se reúnem em Passo Fundo Arquidiocese discute emergências sociambientais Começam preparativos para a 33ª Romaria Vocacional de São Domingos do Sul Angelus: papa destaca importância dos novos santos