Memórias do esporte: as três decisões por pênaltis do Passo Fundo contra a dupla Gre-Nal em 1989

Postado por: Luiz Carlos Carvalho

Compartilhe
Olá, amigos internautas!

O Campeonato Gaúcho de Futebol teve em 1989 uma particularidade: em caso de empate, a partida era decidida nos pênaltis, oferecendo mais um bônus na pontuação. A vitória no tempo normal valia três pontos e um ponto em caso de igualdade no placar.  Seguia-se o que foi adotado na Copa União, o Campeonato Brasileiro do ano anterior.

Foi nesse contexto que o Esporte Clube Passo Fundo esteve às voltas com várias disputas extras naquele Gauchão. Vieram vitórias e derrotas, como aconteceu com os adversários. Por exemplo, derrotou o Caxias e perdeu para o Glória nas penalidades.

O emocionante mesmo foi o confronto com a dupla Gre-Nal na marca da cal.  O time tricolor do Planalto Médio era muito forte e fez grandes enfrentamentos contra os grandes da capital.  Contra o Grêmio foram duas decisões por pênaltis: no Olímpico, vitória do Passo Fundo, após empate por 2x2; e no Vermelhão da Serra, nova vitória, após o 0x0 do tempo normal. 

Diante do Internacional, o Passo Fundo acabou superado depois do empate de 0x0 nos 90 minutos.  Era um jogo marcado por grande expectativa e tensão por parte do colorado, treinado por Abel Braga, que dois dias antes havia sido eliminado justamente nas penalidades pelo Olímpia, do Paraguai, nas semifinais da Libertadores. O goleador Nilson, que desperdiçou a cobrança no Estádio Beira-Rio, foi chamado à responsabilidade e acabou convertendo.  A decisão acabou nas mãos de Taffarel, defendendo o chute do excelente volante tricolor Tim.  Foi uma sexta-feira de fortes emoções naquele ano de 1989, no Estádio Vermelhão da Serra.

Quis o destino que o próprio Campeonato Gaúcho fosse decidido na cobrança de penalidades máximas: o Grêmio foi campeão (quinto título consecutivo naquela oportunidade) ao vencer o rival Internacional, depois de um 0x0 no período normal de jogo.

Até a próxima. Sejam felizes, vocês merecem!

Leia Também O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito Transporte coletivo entre boatos e incertezas