Governo tenta gerenciar a crise sem pudor

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

                  Não há como esperar postura correta de lideranças acusadas de se apropriar do dinheiro público ou de se aproveitar dos recursos que administram para obter vantagens políticas. No entranto, o cidadão sempre renova sua esperança em que isso aconteça.

Acuada, a presidente Dilma dispensa a prudência para se defender. Viaja, usando aviões da Presidência da República para fazer reuniões pelo país com seus companheiros para articular defesas. Convoca a imprensa em horário de trabalho para defender o companheiro Lula. Mais grave, porém, é a afronta que a presidente faz ao Ministério Público e ao Judiciário. Como chefe de Estado, chama a imprensa para ridicularizar as ações de outro Poder Constituíto é uma afronta grave.

O governo não governa mais o país desde o ano passado, se socorre de todas as artimanhas para tentar salvar a sua pele. Se Lula for nomeado ministro para fugir de uma possível prisão, ficará na história da República Brasileira. Será o primeiro caso. Não há medidas para se manter no poder. O poder a qualquer custo.

No Legislativo a mesma coisa, Eduardo Cunha não despacha mais os projetos que precisam ser votados. Cuida apenas de sua defesa.


Prisão de Lula

 O Ministério Público de São Paulo errou no pedido de prisão de Lula. Os argumentos são muito fracos. Um deles é que usou sua liderança para convocar a população em seu favor. Não há nada de errado nisso. Isso não é argumento para prender alguém.

O que o MP de São Paulo e o MPF deveriam fazer era centrar as investigações no enriquecimento ilícito do ex-presidente. Ele nunca foi empresário e nunca acertou na loteria, portanto, não poderia ter movimentado R$ 12 milhões em suas contas com o nome de verbas recebidas por palestras. Sustenta que tornou-se o maior conferencista do país, engraçado, a FIERGS, FIESP, as CDLs, não se dispuseram a pagar tanto por uma palestra de Lula. Com carta marcada com a Odebrecht que nos seus governos ganhou US$ 16 bilhões em contratos, acordou que quando saísse do governo fingiria ser palestrante e a empreiteira lhe repassaria dinheiro. Lula virou um miltimilionário.

O caso dos imóveis, triplex e sítio, será mais difícil de associar as posses do ex-mandatário. Dono é quem tem escritura. Certo que você compra um sítio e daqui a pouco, seu amigo passa a ser o principal usuário. Como se não bastasse ele deixa o emprego e transfere a mudança para o seu imóvel. São evidências de que é o dono, mas falta a materialidade.


Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito