Devolvam o Brasil aos brasileiros

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe
  • Dilerman Zanchet – Jornalista

O título é quase desesperador. Mas o que esperar, sem desesperar, de um país onde um investigado, acusado de corrupção, de desvio e lavagem de dinheiro e de tantas outras falcatruas, onde um homem que se diz trabalhador, que há mais de 40 anos vive sem trabalhar, sai do banco dos réus para assumir um ministério governamental?

Complicado avaliar sem tomar um partido? Sem tomar uma posição? Difícil. Muito difícil. Mas desesperador também.

Quando você sente que a ética, a moral, os bons costumes, a lei, a ordem e o rumo natural das coisas escaparem sob seus dedos, tais quais areia na água do mar, é desesperador. Não, antes que algum desavisado responda isso com palavras provocativas, não se trata de nenhuma atribuição a um só partido político, mas à toda essa “nhaca”, a toda essa corja que compõe os locupletados do Distrito Federal. Tem gente boa sim. Poucos, mas tem. Porém... até tenho medo de que estes poucos bons se contaminem, como foi esse partido do governo no início, logo que assumiu o poder.

Não me venham, ferrenhos petistas exacerbados, dizer que a corrupção sempre existiu no Brasil e que isso vem dos tempos do Império. Não me interessa essa parte da história, pois o país inteiro acreditou no PT. Sim, tanto que elegeu a maioria da Câmara e do Congresso na primeira vez em que um presidente deste mesmo partido foi eleito pela maioria brasileira. E deu no que deu: Lavagem lambuza porco. Lambuzaram-se. Comeram demais. Era muito fácil. Pipocam nas redes sociais os vídeos em que o tal Luiz jura a todos os seus asseclas que seu programa não era de governo, mas de poder.

Por favor, devolvam o Brasil aos brasileiros.

Afundaram as ruas do país pedindo Diretas Já. Entramos – todos os brasileiros, no mesmo ritmo. Fizemos, como a grande maioria, um clamor para tirar um corrputo – Collor, do poder. O partido PT foi o para choque disso. Maluf foi “endemoniado” pelo Luiz, e depois sentaram-se na mesma oca, fumando o mesmo cachimbo. Os três. Aliás, o bando todo. Incluam aí José Dirceu, Paloci, Roussef, Maia e os demais. Ruim na oposição, ótimo na situação.

Quando das manifestações do povo contra a corrupção, vê-se petistas dizendo que impeachment é golpe. Colocar um investigado pela Justiça Federal em um ministério, dando-lhe salvo conduto para que o Juiz Sérgio Moro não possa prendê-lo, não é golpe. Ai, ai, ai.

Ele mesmo (o Luiz) disse que, no Brasil, pobre que rouba vai para a cadeira. Rico que rouba vira ministro. E agora?

Não permitiram, ainda, uma CPI e um programa investigativo da Polícia Federal sobre o BNDE. Quando o fizerem, meu Deus do céu. Toda a sujeira varrida para baixo do tapete vai ser jogada aos céus. E vai feder.

Para aumentar a indignação, adagas e ouro, prata e diamantes, o crucifixo de Aleijadinho, os talheres de ouro e outros milhares de presentes que governos de outros países deram ao Brasil, estavam no cofre do Luiz. Isso não é desvio. É roubo. Mas ele disse que vai devolver as “tralhas”.

Por favor, aproveitem e devolvam a dignidade ao povo. Devolvam a moral, os bons costumes, a seriedade. A ética.

Devolvam o Brasil aos brasileiros.






Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito