-Liturgia de Semana Santa - 23/03/2016

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
-Para continuar a preparação da grande festa da Páscoa, falemos um pouco do evangelho de hoje, segundo o evangelista Mateus 26,14-25.
Na narrativa deste evangelho aparece o traidor, Judas, que vendeu o seu Mestre por 30 moedas de prata.
"Por acaso sou eu"? perguntou Judas quando Jesus disse que havia um traidor entre eles. Pergunta que se ouve normalmente de pessoas que estão dispostas a reparar os seus erros, e também daquelas que, permanecendo neles, querem o reconhecimento público de sua inocência. O ser humano foi criado à semelhança de Deus e, portanto, perfeito e bom. A escolha para o mal veio por ele mesmo, por causa de sua livre escolha e arbítrio. 
Judas Escariotes, a julgar pelo seu caráter, acompanhava a Jesus dominado pelo interesse financeiro. Era o tesoureiro do grupo e tirava o que na bolsa se depositava. Quando Maria Betânia quebrou o vidro do precioso bálsamo sobre os pés de Jesus, Judas se rebelou e achou isso um desperdício, pois poderia vender-se o bálsamo, aplicando o produto ao sustento dos pobres (Jo 12,5).
Neste momento, Jesus, sem dizer nome algum, havia anunciado que, dentre os doze, um haveria de traí-lo. "Por acaso sou eu, Mestre"? Pergunta feita, resposta imediata: "Tu o dizes." A forma carinhosa, mas franca, provocou em Judas um profundo ressentimento.
Imediatamente foi ter com os principais sacerdotes, oferecendo-se para entregar o seu Mestre, mediante 30 moedas de prata, como recompensa.
A resposta para todas as nossas perguntas e incertezas são encontradas na Palavra de Jesus. Ele quer que todos sejamos salvos e cheguemos ao conhecimento da única verdade. Ele deseja nos conduzir à vida eterna. 

Leia Também Igreja faz reflexão sobre a vida e a fé do brasieliro afrodescendente Igreja faz reflexão sobre a vida e a fé do brasieliro afrodescendente “Virtudes” é o tema da 8ª edição do calendário da APAE Presbíteros refletem sobre o cuidado de si mesmo em São Leopoldo