Professores - vocação e profissão, um dilema atual e futuro

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

O que será do futuro sem professores? Essa é uma pergunta que me foi posta nos últimos dias diante das dificuldades que se apresentam em muitas escolas rotineiramente (cada início de ano) e, também, pela quase inexistente procura e conclusão dos cursos de licenciatura.

Na verdade, a profissão de professor passou por inúmeras evoluções nas últimas décadas. Aliás, como todas as demais, esta chama atenção pela sua sensibilidade e por preparar crianças e jovens para o futuro. Existem inúmeros profissionais realmente vocacionados para o magistério e o fazem com maestria, competência e dedicação invejável. Esses adquirem reconhecimento e 'valor' para além de qualquer consideração positiva.

No entanto, a preocupação de muitas pessoas, especialmente dos pais, se justifica porque a educação para o conhecimento e a cidadania depende substancialmente da atuação de um professor. Essa é uma verdade que marca a organização social e a vida das pessoas desde sempre. Quem de nós se esqueceu dos seus professores, especialmente das séries iniciais?

Fácil é dizer, como em tantas outras situações: a sociedade deve assumir esse problema como seu. Dizer isso é o mesmo que afirmar: “o vento, venta”. Os pais precisam valorizar os professores de seus filhos, acompanhar o desempenho, apoiar, sugerir, corrigir, etc. As escolas precisam ter estratégias para criar ambientes de trabalho que sejam realizadores e preencham o sentido da vida vocacional e profissional dos professores. Os governantes e políticos em geral devem ter consciência disso e demonstrar por meio de projetos, pronunciamentos e ações políticas que estão preocupados e querem soluções reais e possíveis em vista do bem de todos.

Enfim, eis um grave problema no presente e com graves consequências para o futuro.

A conjugação de exercício profissional e realização profissional são essenciais para inúmeras áreas. Contudo, para aquelas que atuam com pessoas e respondem, direta e indiretamente, sobre o futuro dos outros, têm uma relação mais exigente, porque supõe satisfação financeira, realização pessoal, crescimento espiritual motivação constante e compromisso político.

Reconheçamos nossos professores e por eles dediquemos parte significativa das nossas melhores forças.




Leia Também O "arrastão" agora é da polícia! A vez de o Grêmio ser prejudicado Série Prata: de sétimo para o segundo lugar! O desenvolvimento natural: a contribuição de Jean-Jacques Rousseau