Segunda Divisão: uma tabela montada ao contrário

Postado por: Luiz Carlos Carvalho

Compartilhe
Olá, amigos internautas!

Vamos torcer para que o Sport Clube Gaúcho conquiste o título e suba para a Divisão de Acesso em 2016.  A competição da Segunda Divisão, popular Terceirona, fica longe do ideal em termos de organização e nem mesmo uma tabela condizente a Federação Gaúcha de Futebol consegue elaborar.

Foi marcada a terceira rodada para abrir a disputa. É isso mesmo. Os jogos foram marcados para o dia 17 de abril, que corresponderiam ao terceiro compromisso de cada equipe.  As partidas da segunda ficaram para o dia 27, ou seja, dez dias depois.   Já a primeira rodada irá acontecer no intervalo de tempo, ou seja, no dia 21.

As equipes confirmam presença, mas várias delas não têm a estrutura mínima para participar. São estádios que não atendem às exigências estabelecidas pelas autoridades em termos de acesso e segurança.  Muitos clubes são de empresários. Logo, não haverá torcida nas arquibancadas.

Uma pena, já que existem integrantes tradicionais no campeonato, com uma história a ser respeitada. Citamos aqui, além do Gaúcho de Passo Fundo, que tem uma BSBIOS Arena moderníssima, o Atlético de Carazinho, que um participante de sucesso nos anos 70; os dois clubes de Bagé, o Farroupilha de Pelotas e o veterano Rio Grande (o mais antigo do Brasil), por exemplo.

Se a disputa abre portas para o surgimento de novos valores, ela tranca com o cenário sub-23 a entrada de profissionais que ficam desempregados após o curto Gauchão.  Chegará o tempo em que a Federação Gaúcha de Futebol irá concordar que é preciso, de fato, fortalecer a Divisão de Acesso e não abrindo uma nova disputa.

Isso colocado, vamos pensar em futebol. O Gaúcho vai estrear no dia 17 de abril contra o Nova Prata em Passo Fundo e, certamente, os torcedores estarão marcando presença em bom número.

Até a próxima.  Sejam felizes, vocês merecem!

Leia Também O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito Transporte coletivo entre boatos e incertezas