Mais uma vez, eliminados

Postado por: Cristian Queiroz

Compartilhe

Mais uma vez amargamos eliminação para um time menor. Mais um vez o Grêmio entra em uma disputa como favorito e sai como eliminado. Isso tem se repetido ao longo dos anos. O Grêmio vai bem, joga bem, mas na hora do “vamo vê”, dá ruim! Já fomos eliminados para Palmeiras, que no mesmo ano foi rebaixado para a Segunda Divisão, fomos eliminados pelo Milionários da Colômbia, Santa Fé, também da Colômbia, Atlético Paranaense, fomos eliminados pelo Fluminense e mais as finais de Gauchão, perdidas para o Inter.

A eliminação de ontem passou mais pelo jogo de quinta-feira, onde o Grêmio subestimou o Juventude. Não por ter escalado alguns reservas. Os caras tinham jogado dois dias antes, não estavam inteiros, poupar era preciso. Mas pela postura do time em campo, desinteressado, querendo manter 0x0 até o fim, imaginando que o Juventude não teria qualidade para chegar ao gol. Mas chegou, duas vezes.

Ontem, 24, o Grêmio foi bem, jogou com vontade, jogou com raça, como se espera que um time de futebol jogue. E, dessa maneira, aos três minutos de jogo já estava vencendo por 1x0. O segundo gol era questão de tempo. O Juventude não ameaçava, e o segundo saiu. Pronto, tudo resolvido, 2x0. A vantagem acabou e ainda teríamos todo o segundo tempo para marcar o terceiro, o quarto... Mas aí, um chute despretensioso bate no jogador do Grêmio, tira Grohe da jogada. Mesmo jogando bem, fazendo o que precisava ser feito, o Grêmio não pode contar com a sorte.

Mas, gremistas, não nos esqueçamos que estamos fora do Gauchão. Na Libertadores estamos vivos, e bem vivos. Quarta tem jogo. O primeiro das oitavas, contra o Rosário Central da Argentina. O Grêmio passa se jogar com a vontade que jogou ontem, com a qualidade que jogou ontem. A falta de sorte não vai nos perseguir em duas competições.


Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”