Obras de Misericórdia Espirituais

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe
Estamos vivendo o Ano Santo da Misericórdia. É um momento de graça para a Igreja. É o tempo favorável para permear de misericórdia nossas relações respondendo na prática cotidiana a ternura e bondade de Deus. A Igreja, comunidade dos que professam a fé e anunciam o ressuscitado (AT 1,8), revelador do rosto misericordioso de Deus (Lc 15, 1ss), sente-se chamada a aprofundar o processo de saída para viver a experiência samaritana, no cuidado dos feridos da sociedade, os que vivem nas periferias existenciais e sociais (DGAE 6), permitindo que estes experimentem a força transformadora do amor.

Somos convidados a fazer a experiência da misericórdia como caminho de encontro com o Pai misericordioso e como caminho de encontro com nossos irmãos. É um caminho de superação da indiferença que se globaliza e cria cada vez mais barreiras entre nós, especialmente com os pobres. Não é um caminho tranquilo, pois esta condição aos poucos está impregnando nossas relações. As obras de misericórdia permitem o processo de conversão e amadurecimento da fé. Têm um caráter pessoal, mas podem acontecer em uma perspectiva comunitária, visto que as comunidades são convidadas a serem misericordiosas.

As catorze obras de misericórdia são divididas em espirituais e materiais. As obras espirituais são: aconselhar os indecisos, ensinar os Ignorantes, admoestar os pecadores, consolar os aflitos, perdoar as ofensas, suportar com paciência as fraquezas do irmão, rezar pelos vivos e defuntos

As indicações por si só se explicam. Elas permitem, enquanto praticadas, a saída de nós mesmos ao encontro do outro. Sugerem a experiência de convivência marcada pela alteridade, no sentido de colocar-se no lugar do outro, dimensão filosófica; e ver Cristo na pessoa do irmão, dimensão teológica (DGAE, 11).

Contribuem para um processo de libertação do fechamento num círculo individualista, equívoco da modernidade, onde o outro tem valor enquanto permite alguma vantagem. A convivência, o diálogo com o outro na perspectiva do serviço tem um caráter libertador e coloca a pessoa no seguimento de Jesus Cristo.

Em terceiro lugar as obras de misericórdia espirituais contribuem para que façamos a experiência do mistério de Deus na convivência interpessoal, a graça transformadora plasmando nossas relações.

Em quarto lugar este exercício semeia entre as pessoas um novo patamar de relacionalidade não mais marcado pela disputa, mas acentuando a cumplicidade solidária caracterizadas pela justiça, paz, reconciliação e fraternidade, demarcando a noção de que o meu próximo é verdadeiramente o caminho para a experiência de Deus.

Possamos viver esta experiência como encontro com Jesus, verbo encarnado mediado pelo encontro com nossos irmãos.


Leia Também Façam uma estátua para Renato Um menino de vinte anos! Educação como horizonte A Síria é aqui?