O que mudou depois de 17 de abril

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe
No dia 17 de abril o plenário da Câmara dos Deputados aprovou a continuidade do processo de impedimento de Dilma Roussef, presidente eleita do Brasil. Decorrem dois meses daquela votação que, além de fazer avançar o processo de impedimento, revelou a estirpe dos representantes do povo na Câmara Federal, eleitos segundo as regras da democracia representativa. O processo foi para o Senado e a presidente foi afastada por um prazo de 180 dias até que aconteça o julgamento final.

Dois motivos alegados provocaram o impedimento: as pedaladas fiscais e a corrupção. No Congresso Nacional a motivação foram as pedaladas fiscais, gastos assumidos sem o aval do Congresso. Por outro lado, boa parcela da população foi as ruas pedindo o fim da corrupção que atingiu diferentes setores do governo, sendo mais visível o caso da Petrobrás. A opinião publicada, que é diferente da opinião pública, contribuiu para animar a população através de notícias previamente selecionadas de forma a mostrar o erro de alguns e esconder o erro de outros.

Enfim, este era o quadro visto no mês de abril.

Vale perguntar: o que mudou nestes dois meses? Continuamos a ver noticias de casos e mais casos de corrupção que envolvem sobretudo outros personagens de diferentes partidos políticos e integrantes do governo interino, que se apresentavam como paladinos da moralidade pública. Alguns não permaneceram por muito tempo. Outros permanecem sem que o presidente demostre vontade de removê-los. Talvez os acordos anteriores ao impedimento sejam entrave para tal decisão.

Ao mesmo tempo avança no Congresso uma pauta conservadora e descompromissada com a realidade brasileira. Apesar do alegado déficit fiscal deu-se aumentos salariais para boa parte do funcionalismo público, especialmente o judiciário. Avança-se na flexibilização dos direitos trabalhistas, especialmente a terceirização da mão de obra e a reforma da previdência.

Até abril não estávamos bem. E agora...como estamos? Qual será o nosso futuro?





Leia Também Eu não acho que um professor deva ganhar bem - Parte II Empreendimentos sujeitos ao Licenciamento Ambiental O Fusca mais potente já fabricado pela VW A reforma política e a intervenção militar