Sobre a influência da realidade não visível e o comportamento humano

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe
O desenvolvimento da Física Quântica, no início do século XX representou um grande avanço para a humanidade, em especial no desenvolvimento de tecnologias e do manejo a distância de objetos e equipamentos, por meio de ferramentas como controle remoto. O reconhecimento de relações de influência entre realidades, seres, objetos distantes e invisíveis nos impõem ampliações do campo das incertezas e diminuição da certezas.
 Esta capacidade, construída cientificamente, de mover objetos e equipamentos a distância está sendo usada para pesquisar as possibilidades de mover objetos por meio do pensamento.  Esta pesquisa, denominada de interações mente-matéria, está sendo desenvolvida no Programa de Pós-graduação da Universidade de São Paulo (USP) por Gabriel Guerrer.  Trata-se de um projeto de pós-doutorado em desenvolvimento, no Instituto de Psicologia da USP, que implementa uma replicação de uma série de experimentos conduzidos pelo pesquisador Dean Radin do Institute of Noetic Sciences (IONS).
A evolução dos estudos da física, em especial a disseminação dos meios instantâneos de troca de informações está revolucionado o comportamento social. Os fatos sociais, são influenciados por realidades diferentes das que normalmente identificamos como sendo seus determinantes. Em nossas experiências cotidianas acreditamos e explicamos os acontecimentos sociais apoiados em um campo de informações limitados, que nos chega, predominantemente por informações construídas e repassadas pelos meios de comunicação. A vida em sociedade esconde ou isola, determinadas realidades consideradas como incomodas, inúteis, prejudiciais ou ameaçadores.  No entanto, ao estar fora do campo de visão social, determinada situação, deixa de ser analisada e avaliada, mas não deixa de influenciar.
A sociedade em geral, a brasileira em específico, foi muito cruel, por muito anos, ao retirar de circulação social, as pessoas consideradas como portadoras de problemas mentais. Está crueldade está no histórico de instituições com o manicômio de Barbacena em Minas Gerais.  A prisão e a crueldade com as pessoas classificadas, etiquetadas como loucas é símbolo do que deve nos mover como pessoas e como sociedade. Nesta instituição, criada por pessoas com poder científico, político e econômico, estavam presas pessoas com doenças mentais, bem com pessoas que não seguiam um padrão social e cultural considerado como normal, como certo.
A desumanidade ocorrida em manicômios, como o de Barbacena, ainda ocorre, especialmente em prisões, para pessoas etiquetadas como criminosas. Trata-se de uma realidade fora do campo da visão social, mas que influencia negativamente a sociedade.  Num estágio anterior das prisões estão as instituições socioeducativas que devem ser conhecidas, apoiadas e adotadas pelas instituições de ensino e pela sociedade em geral. A evolução positiva das pessoas como seres humanos e da sociedade em geral, depende da capacidade de ver e conviver humanamente com indivíduos que cultivam sentimentos de injustiçados, que praticaram e foram vítimas de injustiças.

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”