Os “babacas” da Codepas

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

   Recebi no programa Na Ordem do Dia, uma comitiva de funcionários da Codepas, preocupados com o sucateamento da frota. Segundo eles, a Companhia não tem mais ônibus para repor quando algum estraga pelo caminho, o que tem se tornado rotina. Semana passada caiu uma porta de um veículo em pleno itinerário. Ano passado, um motorista teve que entrar no pátio do Zaffari da Avenida Brasil por problema de freios. Conforme os funcionários, a empresa está perdendo a credibilidade perante os usuários porque eles não têm mais segurança de que vão chegar nos seus horários. Ônibus ficam até 30 dias no pátio por falta de peças. Eles defendem a tão esperada licitação. Há oito meses a prefeitura anunciou licitação para compra de 10 carros novos, já obteve autorização da Câmara Legislativa para o empréstimo, mas até agora não conseguiu efetivar o negócio.

Em seguida a Planalto entrevistou o presidente da Codepas, Tadeu Karczeski. Admiro muito o Tadeu. É um cidadão de Passo Fundo. Ele foi o baloarte, quando vereador, na aprovação do horário livre do comércio de Passo Fundo. O Sindicato dos Trabalhadores no Comércio queimou bonecos do Tadeu em praça pública, no auge do sindicalismo, quando redescobria a democracia, época da liderança de Neri Gomes, Adelar Aguiar e Leonilda Reveilleau (in memoria). O Tadeu trabalhava numa empresa e chegou um funcionário sem o dinheiro e ferido dizendo que fora assaltado. No final das contas, Tadeu descobriu que ele havia apanhado numa boate em uma cidade vizinha. O Tadeu ganhou uma causa milionária contra um veículo de comunicação da cidade e abriu mão do dinheiro. Apenas mostrou que ele tinha razão. Mas, o Tadeu errou hoje ao responder os funcionários da Codepas, disse que tem “uns babacas que não ajudam e só pioram a situação da Codepas que dá prejuízo”. Lembro que muitas vezes fui fazer reportagem quando o Tadeu era sindicalista e liderou as maiores greves no INSS de Passo Fundo. Os funcionários da Codepas hoje estão fazendo o mesmo que ele fez naquela época, ou seja, defendendo os interesses da corporação.

O erro maior, no entanto, foi colocar uma empresa pública numa atividade que deveria ser do privado. Não é só o problema da Codepas. A Codepas tem o filé do transporte coletivo, as linhas da UPF que são as mais lucrativas e dá prejuízo. A Transpasso, tem o pescoço, seus ônibus nem figuram na principal via da cidade, que é a Avenida Brasil, e é sustentável. Ocorre que o Estado é ineficiente. A Petrobras tem o monopólio no maior negócio do mundo e dá prejuízo. O Correio tem o monopólio do seu setor e também dá prejuízo. O erro foi do Dipp na época em que resolveu criar uma empresa pública de ônibus.

A prefeitura não consegue fazer a compra de novos ônibus porque, como disseram bem os funcionários, que não são nada babacas, a empresa perdeu sua credibilidade. Qual é o banco que vai ceder empréstimo para uma companhia pública que tem uma dívida enorme, enfrenta uma CPI na Câmara, sabidamente tem um grande negócio na mão e trabalha no vermelho?



Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito