A regra dos faróis acesos

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

Agora está em vigor uma regra nova no trânsito, faróis acesos nas rodovias durante o dia. Até quando não se sabe. A legislação do trânsito no Brasil é uma verdadeira esculhambação, uma vergonha, o motorista nunca sabe o que está valendo. Ontem foi flagrado um carro de uma polícia rodoviária em Novo Hamburgo, de dia, em plena rodovia, de faróis apagados. Não culpo o policial/ motorista, a lei muda tanto que até a autoridade do setor se confunde. Já multaram dois mil motoristas no RS. Essa dos faróis acesos já esteve em vigência no Rio Grande do Sul, durou pouco.

Lembro que uma vez, nos fizeram comprar kits de primeiros socorros para carregar junto nos carros. Depois que gastamos com aquilo, veio a autoridade do trânsito e anulou a exigência. Algumas empresas faturaram bastante, outras faliram com estoque acumulado.

Há dois anos, suamos atrás de um tal de extintor ABC para os carros. Custava cerca de R$ 70,00. Nem todo mundo conseguiu. A indústria, já com um pé atrás com o mal fadado, com o mentiroso CONTRAN que hoje nos diz uma coisa amanhã fala outra, pôs um pé no freio na fabricação dos extintores. Muitos foram multados. Em setembro do ano passado, o CONTRAN anulou a decisão, não precisava mais do tal de ABC.

Tempos atrás, inventaram outra, exigiram que os Centro de Formação de Condutores instalassem simulador de direção. Uma espécie de um carro dentro do escritório para o candidato a carteira de motorista pilotar. O problema é que a encrenca custou R$ 40 mil cada. Depois que a maioria dos CFCs investiram, o CONTRAN recuou mais uma vez. Não precisava mais. Deixou a critério dos estados. Somente o Rio Grande do Sul e mais ou dois mantiveram a exigência. Um pequeno empresário daqui investiu R$ 800 mil num projeto para fabricar simuladores e vender para todo o país, era toda a reserva que ele acumulou na sua vida laboral, foi tudo fora.

Teve até a trapalhada da exigência de emplacamento de trator agrícola e colheitadeira em 2014. Depois que se deram conta da bobagem que estavam fazendo, publicaram uma resolução anulando a regra.

Não se tem segurança jurídica na legislação de trânsito brasileiro. Ela é a cara das nossas rodovias, cheia de buracos.


Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito