Como o Fusca tornou-se o carro mais amado do mundo

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Terminou a 2ª Guerra Mundial. A fábrica dos KDF-wagen está praticamente destruída e sob controle britânico. Neste cenário nada favorável, coube ao Major Ivan Hirst fazer das ruínas da fábrica em Wolfsburg um centro de reparos mecânicos e, com o que havia sobrado, montar alguns carros para abastecer o mercado interno.

Sob o comando de Hirst, mesmo com buracos no telhado, esgotos entupidos, maquinário quebrado, uma grave falta de ferramentas e de matéria prima e ainda contando com uma força de trabalho altamente insatisfeita, em março de 1946 a fábrica alcançou a marca de mil carros produzidos por mês. O modelo era o Sedan com carroceria civil (tipo 51) montado sobre o chassi do modelo militar (kübelwagen).

Então, em 07 de agosto de 1947, Heinz Nordhoff assumiu a gerência geral da Volkswagen. Surpreendendo a todos, Nordhoff traçou uma estratégia inovadora. Em vez de lançar novos carros a toda hora, decidiu que o Fusca deveria  ser permanentemente aprimorado, objetivando a maturidade e perfeição do produto.

Em 1949, com a chegada de uma nova geração do Fusca, o “De Luxe” ou modelo para exportação, a VW contava com dois modelos: o básico, opção mais barata e o “De Luxe”, que reunia as mesmas qualidades do irmão espartano com alguns toques de requinte e conforto: parachoques, maçanetas, frisos, calotas e aros dos faróis cromados, além de acabamentos internos mais nobres faziam do Fusca para exportação um artigo desejado.

Mesmo assim, o Fusca ainda era visto como um produto do “dinheiro nazista”. Para resolver isso, a VW realizou a segunda e mais radical revisão do Fusca. O modelo com a carroceria de duas pequenas janelas na traseira, símbolo de um produto germânico eficiente e prosaico, deu lugar ao modelo com uma única janela traseira com vidro inteiriço e oval. O Fusca oval, como ficou conhecido, trazia um apelo muito mais caseiro e amável, conquistando definitivamente os consumidores.

Forte, durável, econômico, prático, acessível e confiável, o Fusca tornou-se então o carro mais amado do mundo, até hoje.

Na semana que vem, o Fusca no Brasil, uma parceria que deu muito certo e uma curiosidade: você já ouviu falar da brincadeira do Fusca azul?


 

Leia Também A sociedade civil organizada, calada! Poda drástica Como fica o transporte coletivo? Avós os guardiões da vida e da fé!