A tocha e quem “atocha”

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

Centenas de pessoas curtiram, compartilharam ou comentaram uma publicação no Facebook, com a manifestação a respeito do pagamento de quase dois mil reais para quem “transportou” a tocha olímpica, com a finalidade de ficar com o objeto para si. São dois salários e meio por um objeto, muito valorizado por alguns, bem pouco para outros. A mim não chama a atenção. Não pagaria tanto.

Acontece que o brasileiro não é um povo culto, de forma geral. A cultura do brasileiro, formada através de uma miscigenação de diversas etnias, transcende o que poderíamos entender por “cultura de resultados”. É, sim, uma cultura de massa.

Afora os convidados pelas prefeituras de todo o país para carregarem a tocha, os que foram selecionados pelos patrocinadores, por direito de imagem, receberam em torno de dois mil reais. Ou seja, o mesmo valor equivalente para ficar com o brinquedo após a passagem pelo município.

Com certeza nomes de destaque no mundo esportivo, como os que estiveram representando Passo Fundo, Porto Alegre ou outras cidades, mereceriam receber a tocha como prêmio pela dedicação em torno do esporte. Claro que destes, nenhum é “mal de vida”. Todos construíram um grande patrimônio e vivem bem, obrigado.

Então o chororô de terem que desembolsar o valor para ficar com o objeto é inútil. Veja bem: Ter a oportunidade de carregar a tocha e, de quebra, ganhar quase dois mil reais, não é para qualquer um. Verdade. Até porque qualquer um não tem quase dois mil por um produto para ornamentar a cristaleira de casa.

A tocha e seus quase 24 milhões de reais para passear pelo país, uma cidade que deve até o umbigo e recorre aos cofres federais para concretizar a tal da olimpíada, um país quebrado, literalmente, e sem nenhuma segurança será, em alguns dias, a ostentação dos jogos olímpicos.

Atocharam de novo no povo. E com força.

Coisa que a Suécia, por exemplo, renegou para a edição de 2024, pelo alto custo do evento.

Tá bom? Sim, “nóis é pobre mas é limpinho”.

Quanta demagogia.

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito