A tecnologia nas relações humanas

Postado por: Israel Kujawa

Compartilhe

A tecnologia ocupa um grande espaço em nossas vidas. É um produto da ação humana, advinda da evolução do conhecimento. Está entre as características centrais para o entendimento da história do ser humano no planeta terra. Foi usada nos século XVII e XIX, para o que é reconhecido como Revolução Industrial, nos modos de relação do homem com a natureza e na produção de bens para a subsistência, para a dominação e para o conforto. Seu uso para destruição e sua evolução tiveram auge nas guerras mundiais, ocorridas na primeira metade do século passado.  Em consequência disto, na segunda metade do século XX, um movimento conhecido como teoria critica reforçou os questionamentos do domínio tecnológico nas relações humanas.

Este movimento reforça os questionamentos, apontando as contradições e os limites da tecnologia, visualizados nas guerras e na destruição da natureza. A clássica pergunta sobre quem está a serviço de quem, se a tecnologia serve ao conjunto dos seres humanos ou se o conjunto da sociedade é instrumentalizada para garantir o aumento da tecnologia e do consumo continua atual. Neste século, alguns pensadores, pessoas anônimas e grupos organizados, questionam a dominação tecnológica, no modo de se alimentar, no método de nascer e na forma de viver.  Estes questionamentos, propõem uma reaproximação dos ser humano com a natureza ou com aquilo que é natural, defendendo a intervenção tecnologia como segunda opção, na forma de nascer, de se alimentar e de viver.

 A tecnologia tem, paradoxalmente, seus poderes aumentados, pelo desejo humano de superar limites e de dominar. A superação de limites estabelecidos por barreiras espaciais e temporais pode ser apontada como um dos aspectos mais sedutores. O deslocamento de um ponto para outro, no menor tempo possível pode ser identificado como um desejo que possibilitou a ampliação do uso de dois símbolos da tecnologia que são o automóvel e do avião. A ousadia de pessoas visionárias na idade média, século XIV, possibilitou as navegações, o contato, o encontro, o confronto de culturas e formas diferenciadas de viver. A posse da tecnologia foi usada como estratégia para a evolução do conhecimento, bem como para a sedução, o domínio e a destruição de culturas e de formas de vida. 

Desta forma, os exercícios humanos de pensar e avaliar os modos de uso, as necessidade e suas dimensões positivas e negativas nas relações humanas são indispensáveis. A presença da tecnologia no cotidiano das pessoas, representa conforto, facilidade, poder e capacidade de controle. No entanto, contraditoriamente simboliza a destruição da dimensão humana existente em cada pessoa. Esta destruição pode ser visualizada no esgotamento das riquezas naturais, na dominação e instrumentalização de pessoas, na redução dos espaços e tempos para vínculos afetivos nas relações humanos.  

Leia Também Falecimento de titular de firma individual causa a extinção da execução fiscal Treinamento psicológico e o efeito no grupo A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais”