Críticas x elogios à administração do prefeito Luciano Azevedo

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

Nesse país onde a democracia e a liberdade ainda são direitos embrionários, temos que nos submeter à coerção do Estado. A Lei Eleitoral diz que, a partir de seis de agosto próximo, é proibido expressar opinião favorável ou contrária a candidato no rádio e na TV. Portal de notícias não é concessão. De toda a forma, juristas divergem sobre esse novo veículo de comunicação.

Em tempo, é preciso que a comunidade discuta, avalie a administração municipal. Todo o homem público está sujeito à avaliação popular. É diferente do “Joãozinho”, que cumpre sua rotina da casa ao trabalho e deve explicação ao patrão e sua família.

Para não se alongar, destaco apenas meia dúzia de itens, que, particularmente, considero positivos e negativos na administração do prefeito Luciano Azevedo, de Passo Fundo, denominando-os de elogios e críticas, para que o nosso leitor possa refletir.

Elogio 1Uniforme escolar. Esse projeto muito se falou em campanhas anteriores e somente agora saiu do papel. Padronizou a vestimenta escolar, deu uma identidade ao aluno do município e ajudou as famílias que tem menos condições financeiras.

Elogio 2Parque da Gare. Desde o governo Júlio Teixeira vinha se falando em construir um parque. Mesmo que financiado, saiu do papel. Hoje, Passo Fundo tem um parque à altura dos parques de Curitiba. Recebendo familiares de fora, se tem onde levar. Antes, a alternativa não passava de um passeio na UPF.

Elogio 3Ciclovia. Esse também é um projeto que há muito tempo se falava na cidade. Do centro ao Boqueirão, virou realidade. Era tão simples. Bastou apenas demarcar e asfaltar uma trilha dentre as árvores do canteiro da Avenida Brasil ou demarcar parte da pista de rodagem. Alguém enxergou esse caminho e colocou em prática.

Elogio 4Reforma da Praça Central. A praça central vivia às escuras. A praça Marechal Floriano não condizia com a cidade do tamanho de Passo Fundo. Hoje, está reformada, iluminada e bonita.

Elogio 5Parque Linear do Sétimo Céu. Essa área toda no Bairro Petrópolis, serviu durante todo o tempo como potreiro, para criação de cavalos. Hoje, tem uma extensão de praça, de nove quadras com diversas atrações, pistas de ciclismo, caminhódromo, cancha de bochas, brinquedos, academia, quadra de esportes e pista de skate.

Elogio 6 Banhado da Vergueiro. Esse, talvez seja o debate mais antigo da cidade. A queixa de moradores das proximidades com relação ao eterno abandono do local. O local foi cercado, instaladas pontes e caminhódromo, além de um prédio novo para a secretaria municipal do Meio Ambiente no local.

Crítica 1 Desemprego. O período foi trágico no tocante a empregabilidade. Fechou a fábrica de guindastes desempregando 150 trabalhadores, fechou o frigorífico Minuano, onde trabalhavam mais de 200 pessoas, fechou a TW Transportes desempregando 51 trabalhadores. Corretores estimam que pelo menos 150 espaços nobres estão fechados hoje, sobretudo, na área central.

Crítica 2 Geração de emprego. As administrações atuais estão pagando o preço da crise, da conjuntura nacional, mas faltou iniciativa na administração do prefeito Luciano. O caso da fabricante de guindaste até hoje não se tomou uma decisão mesmo que seja para retomar a “fazenda” de 45 hectares que foi destinada na administração anterior. A prefeitura não tem mais terrenos nos distritos industriais. Não é possível que um município do tamanho de Passo Fundo não tenha um terreno para ceder a um empreendedor. Todo o município do nosso porte faz isso.

Crítica 3 Bairro a Bairro. O referido projeto teria sentido se fosse verdadeiramente para ir em busca das demandas da comunidade. O que ocorreu foi o contrário. As secretarias iam antes, faziam as obras, montava-se toda a estrutura (que teria custado R$ 2 milhões aos cofres públicos durante todo o período) e aos sábados o que se fazia mais era a comemoração do que fora executado antes.

Crítica 4 Grama cara. A informação levada à Câmara de Vereadores pelo vereador Peliciolli, de que a prefeitura pagou R$ 20,00 pelo metro quadrado de grama, quando o preço de mercado era R$ 12,00 ficou completamente carente de uma explicação convincente. A explicação de que foi usada tabela da Caixa Federal não justifica. Custou caro para os cofres públicos. No mínimo, alguém foi muito inocente na prefeitura e o fornecedor muito hábil na negociação.

Crítica 5 Criação de Secretarias. A administração, mesmo nessa época de crise, andou na contramão do que foi feito na gestão pública em todo o país. Prefeitos reduziram salários, governador Sartori reduziu secretarias, presidente Temer reduziu ministérios e o prefeito Luciano fez o contrário, criou novas pastas, áreas que poderiam ser tocadas para secretarias afins, sem ter provocado esse ônus para a sociedade.

Crítica 6 Codepas. A Codepas é herança, mas os escombros ficarão na mão do prefeito Luciano. Algum prefeito terá que ter a coragem de privatizá-la. Errou o prefeito Dipp quando criou esse transporte. Erraram todos os outros em tentar mantê-lo. Se Petrobras, Correios, mesmo tendo monopólios na mão, dão prejuízo, não seria a Codepas de Passo Fundo a dar certo, ainda que tenha o filé do transporte coletivo da cidade.  

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito