O Fusca no Brasil, uma parceria que deu muito certo

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Enquanto na década de 50 do século XX o Fusca já era um sucesso na Europa, no Brasil ele estava apenas chegando. Em 11 de setembro de 1950 desembarcaram no porto de Santos 30 unidades do modelo VW Sedan Split Window (com a janela traseira bi-partida). Devido ao sucesso dessa primeira experiência, a empresa Brasmotor (que hoje é a Brastemp) começou a montar no Brasil os carros que vinham da Alemanha desmontados em caixas. Em 1953 a Volkswagen assumiu a operação no Brasil, passando a montar os novos modelos com janela traseira oval em sua sede em São Paulo. Em 1959 o Fusca passou a ser oficialmente produzido no país.

Em terras tupiniquins, o Fusca adaptou-se perfeitamente.  Nas estradas de terra do interior, com sua suspensão elevada e tração traseira ele estava em casa. Nas cidades, pequeno e econômico (comparado aos motores V8 que equipavam a maioria dos enormes carros da época) fez sucesso imediato.  Mas o conjunto de seus muitos atributos, onde se destacam principalmente o preço e a durabilidade, foi o que garantiu a longevidade do projeto alemão em solo brasileiro.

Por mais de 30 anos o Fusca manteve ótimas vendas no Mercado interno. Mas com a concorrência de projetos mais modernos de outras fabricantes e mesmo de seus irmãos da VW como o Passat e o Gol, começou a perder terreno até que, em 1986, teve sua produção encerrada. Em 1993, sob o pedido do então Presidente da República Itamar Franco, foi ressuscitado, sendo produzidas mais 47 mil unidades até 1996, quando foi definitivamente encerrada sua produção por aqui. Mais recentemente, versões modernas do Fusca foram lançadas pela VW mundial, como o New Beetle e, por último, o Fusca. Mas estes de Fusca mesmo só tem o nome e a silhueta, pois são montados obre a plataforma do Golf e do Jetta.

Atualmente, o velho besouro da VW com motor a ar voltou a ser objeto de desejo, tendo inclusive clubes de colecionadores e entusiastas do modelo, como o PFFC – Passo Fundo Fusca Clube ou o FCB – Fusca Clube do Brasil, além de encontros internacionais de amigos “fusqueiros” como o Passo Fundo VolksJam. Original ou personalisado, o Fusca ocupa lugar no coração e na lembrança de muita gente, sendo carinhosamente chamado “a incrível máquina de fazer amigos”.

E a brincadeira do Fusca azul? Bem, a brincadeira é simples: ao ser o primeiro a avistar um Fusca azul nas proximidades, você ganha o “direito” de dar um soco no braço do seu amigo. Mas por quê? Não se tem muita certeza, mas provavelmente começou nos EUA, na década de 60, quando o Fusca ficou popular por lá. Nos EUA ele também é chamado de “bug” ou “buggy” e a brincadeira é conhecida como “Punch Buggy” e o Fusca não precisa ser azul. Você só precisa gritar “punch buggy” e o nome da cor do Fusca. O fato é que não se sabe quem nem porque inventou o “Punch Buggy” e muito menos como virou “Fusca Azul” aqui no Brasil. Porém, o fato é que só o carro mais amado do mundo poderia dar origem a uma brincadeira dessas. 

Leia Também Demitido por vender vacina da gripe A Como saber se estou correndo rápido? Acordo prevê ações de sustentabilidade na administração pública Ernestina – sempre foi Dona Ernestina