Um basta ao preconceito

Postado por: Juliano Roso

Compartilhe

A discriminação contra homossexuais nunca esteve tão visível. O crescimento da intolerância apoiada no anonimato da internet trouxe à tona um preconceito que está enraizado cultura em nossa sociedade. Do outro lado, a maior visibilidade de gays, lésbicas e transgêneros acirrou o debate de um triste e capítulo da humanidade. O preconceito com o diferente, seja apoiado em questões religiosas ou culturais, fere, exclui e mata.

Estudo do Grupo Gay da Bahia, mais antiga entidade de gênero do Brasil, aponta que 318 gays foram mortos em 2015 em crimes relacionados à homofobia. Foram mortos pelo simples fato de amarem. Em pelo ano de 2016, o afeto entre pessoas ainda é motivo de ira e perseguição.

Apesar dos avanços e das conquistas dessa parcela da população, ainda falta muito para que a diversidade possa existir em nossa sociedade sem risco.

Por isso criminalizar atos de homofobia, como ocorre nas sociedades mais avançadas do mundo, é passo fundamental para inclusão e que vão colocar o Brasil no grupo de países civilizados. Será somente com a proibição legal dos abusos que a discriminação vai parar. O que não podemos admitir é que irmãos, filhos, colegas, amigos e tantas outras pessoas sejam diminuídas por ocuparem papéis diferentes dos impostos pela sociedade.

Discutir as questões de gênero e falar sobre o assunto nas escolas também ajudará a acabar com o preconceito. Preconceito esse que se passa de pai para filho, já que criança aprende a xingar o “diferente” pois vivencia atitude semelhantes na família onde vive. Então, temos de zelar para que a orientação sexual não seja motivo de ódio, assim como crença religiosa, preferência política e outras tantas escolhas que fazem de nossa sociedade um ambiente plural não o são. Mais amor, menos ódio. 

Leia Também Veículo usado por agricultor não pode ser penhorado Que venha o Grêmio, como ele é Pais procuram filhas desaparecidas Homens e a moda para as festas de final de ano