Laudato Si e as novas atitudes para um novo mundo

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

Já passou um ano do lançamento da Encíclica Laudato Si, sobre o cuidado com a casa comum. A encíclica nos convida a rever nossas atitudes em relação ao Planeta Terra. É um desafio amplo que vai englobar toda a humanidade, começando com hábitos em nossa casa menor (lar), mas estendendo-se para todo o planeta. É a possibilidade da nova relacionalidade entre nós e com a casa maior, a casa comum. Seguem alguns passos:

 a- A conversão ecológica. Implica em mudança de mentalidade e de coração em relação ao mundo criado. Devemos corrigir os rumos, os caminhos. Isto tem uma dimensão pessoal, mas também comunitária.

b-Superarmos a visão de que o ser humano é o centro de tudo e assumir a capacidade de alteridade e gratuidade. Implica em sair de si mesmo para encontrar o outro, a Criação.

c-Promover uma verdadeira educação ambiental voltada à sensibilidade e ética ecológicas; e um espírito generoso, expresso no cuidado e responsabilidade com a Criação. Isto se manifesta na sobriedade do consumo, no uso da água, na separação do material reciclável. São pequenas atitudes em nome de algo maior.

d-Tal educação poderá ser efetivada na família, na escola, na catequese, nos ambientes da vida comunitária, nos diferentes lugares de encontro. São lugares de concretização da conversão ecológica proposta pelo Papa.

e-Aproveitarmos com carinho e sobriedade os alimentos que a natureza nos dá. Podemos perguntar se em nossos lares estamos atentos ao desperdício de alimentos e água.  No Brasil e no mundo perdemos muitos alimentos. 

f-As famílias são lugares especiais de se viver este novo espírito. No ambiente familiar a pessoa, desde a tenra idade, vai descobrindo o mundo. Pequenos gestos e atitudes apreendidos na vida familiar ficam para sempre.

g-Testemunharmos uma sociedade que fuja do princípio egoísta de vida para assumir o princípio de guardadora e cuidadora da obra de Deus como testemunha Francisco de Assis.

h-Termos uma atitude de sobriedade diante da tentação do consumo desenfreado. O desejo de experimentarmos cada novidade do mercado, como se essa determinasse o nosso grau de bem viver. Os recursos naturais são finitos. A forma como nos utilizamos pode decretar a escala de tempo da sua durabilidade.

i-Consciência de que estamos morando “nesta casa” por um tempo. É importante nos preocuparmos de como deixaremos esta casa para os que virão depois.

j-Compreender e assumir o papel de zeladores de um Planeta doente, que tem uma parcela da humanidade também doente. O testemunho de cuidado do samaritano vale para a humanidade e para a casa da humanidade.

 O Documento aponta corajosamente, depois de constatar os graves problemas ambientais, um caminho para a humanidade, a espiritualidade ecológica. Podemos afirmar que é o sopro do Espírito Santo nos convidando a buscar com esperança uma terra sem males, sem violência, sem dores ou lágrimas. (Ap 21, 1ss)

 

Leia Também Contenção de despesas em todas as classes Jaquetas femininas e masculinas inverno 2017 Juiz considera ilegal a cobrança da taxa de saúde suplementar Psicologia Jurídica