Rio Grande paralisado

Postado por: Juliano Roso

Compartilhe

Desde que assumiu o comando do Rio Grande, o atual governo utiliza o discurso de terra arrasada para impor medidas questionáveis. Com a ausência de políticas claras de desenvolvimento e de retomada do crescimento, o Executivo optou pelo caminho mais fácil para justificas suas ações contra a crise: aumento de impostos, sucateamento do Estado e estrangulamento do funcionalismo. O aumento do ICMS foi anunciado como solução para os problemas do governo estadual. Mas diferentemente do que se pregava, a elevação dos tributos asfixiou ainda mais a já combalida economia gaúcha.

Somente em 2016, o governo parcelou o salário dos servidores em cinco meses. O resultado é funcionários públicos desmotivados, greve do magistério e caos na segurança. A paralisia do governo em relação aos investimentos do Estado respingou na saúde. De acordo com a Federação das Santas Casas do Rio Grande do Sul, o endividamento dos cerca de 250 hospitais filantrópicos gaúchos alcançou R$ 1,4 bilhão. Com o atraso nos repasses de verbas estaduais, os hospitais já demitiram 6 mil trabalhadores e fecharam 3,5 mil leitos.

Na segurança pública, a situação se aproxima do caos. Com a política anunciada recentemente pela LDO, que congela salários e investimentos, o quadro deve piorar. Em 2015, o Estado utilizou apenas 1,36% da receita líquida em investimentos. Agora, a renegociação da dívida do Estado com a União também é anunciada como salvadora. Mas na prática, o alívio de cerca de R$ 1,6 bilhão estimado pelo pagamento da dívida, não resulta em melhorias para a sociedade. Salários seguem parcelados, o Estado segue paralisado e se esquivando do protagonismo do desenvolvimento estadual e os problemas aumentam. 

Ações efetivas de combate a crise, como a revisão de benefícios e isenções fiscais, que poderiam impactar enormemente no caixa do Estado, além do combate à sonegação e o retorno do investimento público podem ser medidas imediatas para mudar o quadro de apatia que paralisa o Rio Grande e que prejudica toda a sociedade gaúcha. 

Leia Também William II Elo passado-presente-futuro Sujeito descansado Maneiras de usar o floral nesse verão 2018