Saberes perversos

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

A evolução da humanidade ocorre por influência de diferentes fatores, normalmente os interesses econômicos são preponderantes, outras vezes ela é consequência de planos ou projetos bem arquitetados e com objetivos claros e precisos em vista de descobertas ou necessidades de inúmeros agentes. O acaso, também, é uma possibilidade que pode ser considerada como relevante para passos significativos para o aprimoramento humano, social ou tecnológico.

A admissão desse contexto necessário e, por vezes, até casual, nos joga para duas reações. A primeira é de reconhecimento e admiração pela capacidade humana de ampliar as suas possibilidades de conhecimento transformar os recursos disponíveis em formas de convivência e novas facilidades para o seu crescimento. O barateamento dos transportes ocorrido nos últimos 30 anos é um belo exemplo desse dinamismo. A sabedoria a serviço do bem-estar e da realização humana.

A segunda reação é de perplexidade considerando a utilização da inteligência humana e dos recursos disponíveis para objetivos que implodem as relações humanas, o equilíbrio social e a utilização equilibrada dos recursos disponíveis, especialmente os recursos naturais e ambientais. A grave crise ecológica em curso no mundo é o retrato fiel desse ambiente, as guerras pelo domínio dos recursos naturais como o petróleo e a água são exemplos das ameaças que pairam sobre a humanidade.

A avaliação sobre as conquistas da sabedoria humana e as consequências de sua ação, orientação e alcance demandam o debate permanente e produtivo daqueles que dominam os recursos e tem o poder de decisão sobre o futuro. A formação moral bem fundamentada acompanhada por legislações bem estruturadas e claras em suas metas, assim como, nas sanções pelo mau uso voluntário e individualista da sabedoria humana têm condições de evitar, prevenir e combater graves danos às pessoas, à natureza, ao equilíbrio social e às futuras gerações.

A busca de conquistas sem limites não pode conduzir a bom termo qualquer decisão ou mesmo legitimar todas as decisões.

A responsabilidade maior precisa estar na consciência e no agir daqueles cujos talentos, ao serem multiplicados, podem influenciar gerações e transformar a vida de contingentes expressivos da humanidade.

Os exemplos não cessam. Nesta reflexão destaca-se os feitos positivos, como a invenção de eletricidade e as vacinas como ícones do bem para todos.

A tensão entre o reconhecimento, a prevenção eu empreendedorismo em vista de novas conquistas, precisam estar acompanhados pelo senso moral, pela responsabilidade com o público e com a prudência na tomada de decisões.  A sabedoria é dom de Deus e resposta livre e responsável do homem. Quando essa relação perde o senso de justiça o mal se sobrepõe com vestimentas de sol radiante.

            

Leia Também A ciência como ferramenta para a sabedoria Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais” Passo Fundo Futsal/Fasurgs/Zamil: uma grande equipe nos representou em 2017 A Taça Maldita!