Ritmo acelerado nas obras do Parque Científico e Tecnológico UPF Planalto Médio

Compartilhe
As obras do primeiro módulo do Parque Científico e Tecnológico UPF Planalto Médio estão em ritmo acelerado. O prédio de mais de 650 metros quadrados abrigará espaços para incubação de empresas de base tecnológica, da empresa âncora na área de Tecnologia da Informação (TI) e da área administrativa do empreendimento. A conclusão da obra está prevista para o segundo semestre deste ano. O andamento da construção pode ser acompanhado em tempo real pelo endereço eletrônico http://www.upf.br/parquetecnologico/index.php.

De acordo com o reitor da Universidade de Passo Fundo (UPF), professor José Carlos Carles de Souza, a agilidade na execução da obra demonstra a sinergia entre a instituição, o governo do Estado do RS e a Prefeitura de Passo Fundo para a concretização deste empreendimento fundamental ao desenvolvimento regional. O reitor destaca, ainda, que a segunda fase do Parque está em processo de planejamento, para que possa ser iniciada em breve. “A possibilidade de poder acompanhar o andamento da obra em tempo real, de forma online, demonstra a transparência com a qual o dinheiro público está sendo utilizado nesta obra”, avalia.

O coordenador do Parque, professor da UPF Alexandre Lazaretti Zanatta, explica que o parque vai atender as particularidades da região, por isso, as áreas iniciais de atuação compreendem a tecnologia da informação, a agricultura e a metal-mecânica. Ele destaca, ainda, que o Parque facilitará a inclusão de processos inovativos nas empresas da região, bem como, potencializará a pesquisa científica na UPF.

O Parque
O Parque Científico e Tecnológico UPF Planalto Médio é uma iniciativa capitaneada pela UPF em parceria com a Prefeitura de Passo Fundo e o governo do Estado com o objetivo de desenvolver um ambiente que possibilite o aumento da competitividade das empresas incubadas, tendo como base uma matriz acadêmica e científica que promova a inovação, o desenvolvimento tecnológico e a inclusão social.

A obra, de 651,15m2, está sendo executada por meio de recursos do Edital 01/2011, totalizando R$ 1.240.638,50, dos quais R$ 924.577,63 provenientes da Secretaria da Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico do governo do Estado e R$ 316.060,87 como contrapartida da Fundação UPF.

Foto: Leonardo Andreoli/UPF

Leia Também Conversas no WhatsApp com mais de um ano serão deletadas Anatel irá bloquear celulares irregulares no Brasil Instagram e Snapchat removem GIFs após caso de racismo Quais os celulares que mais emitem radiação?