Hoje eu só temo a morte da democracia!

Postado por: Juliano Roso

Compartilhe

O dia 29 de agosto de 2016 deve ficar na história do Brasil. Nesse dia, a presidenta Dilma Rousseff foi até o Senado Federal, voluntariamente, para se defender das acusações que podem culminar com a perda de seu mandato.De cabeça erguida, Dilma respondeu serenamente ao questionamento de senadores que ali figuravam como coadjuvantes de um golpe parlamentar que abre precedentes graves para a democracia brasileira. Digo coadjuvantes pois muitos deles não conseguiam nem justificar o voto pelo impedimento da presidenta. Faltava argumentação. Isso ocorre pela falta crime.

Nós já vimos esse filme. Em 1964, muitos setores da sociedade – com representantes vivos e atuantes na política atual - negavam o golpe. O que vivemos foram décadas de repressão, crimes e perda de direitos. Mesmo tendo provado do gosto amargo da ditadura, parece que temos dificuldades em lidar com a democracia. Vale lembrar que diferentemente do que muitos esbravejam, Dilma é apontada nesse julgamento pela assinatura de decretos complementares para o custeio de programas de crédito, como o Plano Safra. É bom registrar que outros presidentes assinaram decretos semelhantes e nunca foram questionados pelo Tribunal de Contas da União. Isso sem falar em governadores.

Sem crime, sem enriquecimento ilícito, sem contas no exterior, a presidenta eleita democraticamente pela maioria dos brasileiros se mantém firme no desfecho de um golpe que se iniciou antes da eleição passada. E dessa maneira entra para a história como a primeira mulher a presidir o Brasil. E, apropriando-me de um trecho do discurso de Dilma, destaco minha preocupação com os rumos do país: Hoje eu só temo a morte da democracia!

Leia Também William II Elo passado-presente-futuro Sujeito descansado Maneiras de usar o floral nesse verão 2018