O dia sem brilho

Postado por: Neuro Zambam

Compartilhe

Hoje o Brasil acorda com mais um dia sem a necessária motivação para enfrentar desafios, decidir o que é melhor, agregar valores, projetar negócios e unir as pessoas em torno de metas comuns.

A troca de governo sempre é um período de tensão e de insegurança porque não se sabe o que está por vir. Assim como uma amizade, um casamento ou uma relação de trabalho são uma aposta, a mudança de governo também o é.

A substituição da Presidente Dilma após um doloroso processo de constrangimento nacional com repercussões em todos as áreas marca profundamente o Brasil de forma negativa e com repercussões no futuro muito difíceis de serem avaliadas.

A culpa dessa situação não é da presidente. Ou melhor, não exclusivamente dela. O entorno, acostumado aos meandros do poder viciado e absurdo tem a maior responsabilidade. Pena, ela responde pelo conjunto da obra.

A história do Brasil é marcada pela concordância dos governantes, dos demais líderes, das instituições e, principalmente, da população com a corrupção em pequenas e grandes escalas. Entretanto, a população elegeu um “projeto” nos últimos 20 anos cuja bandeira foi agir de forma diferente. Esse foi o sinal de que a população esperava uma postura com mais lisura e compromisso com grandes projetos e nobres causas que repercutissem no seu cotidiano.

Seria ingenuidade afirmar que nada foi feito. Aliás, é preciso reconhecer que muito foi feito, o que animou muita gente. Mas a armadilha da corrupção que sempre é encantadora, convincente e vorás comoveu corações famintos e sem limites.

O Brasil precisa, agora, construir uma nova opção política com líderes capazes de dialogar com a população e representar os anseios mais seguros dos mais sofridos.

Esse tempo é longo porque um líder e uma organização precisam ser conhecidos e reconhecidos e isso leva tempo. Talvez demorará muito tempo porque a desilusão foi grande.

O processo de organização do que sobrou supõe a capacidade de conquistar a confiança de quem mantém a esperança e convencer que vale apena construir grandes ideais com pessoas experimentadas na luta da vida. A hora é de fazer novamente mais do que a sua parte.

 

Leia Também A (falta de) leitura e as redes sociais 25º Domingo do Tempo Comum. Escute o que seu coração deseja Mortes no Trânsito: De quem é a responsabilidade?