O Fusca na Guerra

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Inicialmente pensado para ser o “carro do povo”, o Fusca também teve seus dias de batalhas. Durante a Segunda Guerra Mundial nosso querido besouro foi fardado e equipado por Ferdinand Porsche e sua equipe para servir às tropas alemãs nos mais diferentes tipos de conflitos e situações. O primeiro modelo militar derivado do Fusca foi o KÜBELWAGEN ou “carro balde”.

Um jeep com capota de lona, pesando míseros 550 kg, que acomodava 4 soldados armados e seus equipamentos, com um motor que não fervia em altas temperaturas nem congelava sob frio intenso, que encarava praticamente qualquer terreno e tinha uma manutenção mecânica extremamente simples, o Kübelwagen foi sucesso absoluto nas forças armadas alemãs e também entre os americanos, que procuravam capturar unidades sem destruí-las e tinham até um manual que ensinava como usar e preservar o “Fusca de guerra”. O comandante nazista Erwin Rommel ficou tão impressionado com o modelo que, ao assumir a divisão Africa korps, substituiu boa parte dos veículos por Kübelwagens. Dizia ele: “No deserto, o Kübelwagen passa onde um camelo mal consegue andar”.

Foram feitas muitas variações do modelo para atender às mais diferentes utilizações. Alguns com rodas específicas para rodarem em trilhos de trem. Outros com enormes pneus em formato de balão para se deslocar nas areias do deserto. Também uma versão chamada Kommandeurwagen, com carroceria do fusca civil, que serviu para transporte de comandantes e alto escalão do Terceiro Reich. Durante o racionamento de combustíveis, uma versão movida por queima de madeira também foi produzida. Mas a variação que mais agradou aos alemães na Guerra, e também o mais curioso, foi o modelo anfíbio Schwimmwagen, do qual trataremos na próxima semana.

Agora uma curiosidade mórbida: Você sabia que Adolf Hitler fez sua última viagem em um discreto Volkswagen, em vez de utilizar sua limousine Mercedes? Dizem que foi para passar despercebido no trajeto até o bunker em Berlim, onde cometeria suicídio.

 

 

Leia Também Bolsonaro e a esquerda Ser religiosa (o) Escute o que o outro realmente quer dizer! Policiais estão matando mais, fora de serviço.