Sete de setembro

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
Lembro, com saudades, quando em criança o dia da independência era muito venerado, respeitado e festejado. Eu ia à frente, com muito orgulho levando a bandeira do Brasil ao som do hino. Era normal e natural que todos os colégios participassem das festividades. Ninguém se abstinha, todos impecáveis "marchavam" orgulhosamente. Lembro minha mãe preparando nosso uniforme com muito capricho porque todos deveriam estar impecáveis e bem lindos. Era uma imensa alegria. Quando se ouvia o hino nacional se ficava "em sentido", não se mexia nenhum músculo. Doía o coração da gente de tanto orgulho. A bandeira era um símbolo respeitado e amado por todos. Quando hasteada o vento a agitava e nós a olhávamos maravilhados; 
Passou o tempo e vejo hoje, com tristeza, que tudo mudou, drasticamente. Para muitos dos brasileiros hoje é um dia como qualquer outro. Perdeu-se o brilho, o orgulho, o respeito e a vontade de homenagear nosso país. Porque será? 
Falo por mim: vejo uma nação que não valoriza e resguarda os direitos de seus cidadãos. Vejo nossos governantes  irresponsáveis pensando somente em seu proveito próprio. Perdemos a emoção de ver tremular a bandeira nacional, em seu mastro. Perdemos a vontade de cantar o hino nacional e sentir o coração pulsar de orgulho. Perdemos a referência de uma nação interessada em promover a paz, salvaguardar os direitos e amparar "seus filhos". 
Como resgatar tudo isso novamente? 
"Querido símbolo da terra, da amada terra, do Brasil".

Leia Também Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais” Passo Fundo Futsal/Fasurgs/Zamil: uma grande equipe nos representou em 2017 A Taça Maldita! Eu só penso naquilo!