Sete de setembro

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
Lembro, com saudades, quando em criança o dia da independência era muito venerado, respeitado e festejado. Eu ia à frente, com muito orgulho levando a bandeira do Brasil ao som do hino. Era normal e natural que todos os colégios participassem das festividades. Ninguém se abstinha, todos impecáveis "marchavam" orgulhosamente. Lembro minha mãe preparando nosso uniforme com muito capricho porque todos deveriam estar impecáveis e bem lindos. Era uma imensa alegria. Quando se ouvia o hino nacional se ficava "em sentido", não se mexia nenhum músculo. Doía o coração da gente de tanto orgulho. A bandeira era um símbolo respeitado e amado por todos. Quando hasteada o vento a agitava e nós a olhávamos maravilhados; 
Passou o tempo e vejo hoje, com tristeza, que tudo mudou, drasticamente. Para muitos dos brasileiros hoje é um dia como qualquer outro. Perdeu-se o brilho, o orgulho, o respeito e a vontade de homenagear nosso país. Porque será? 
Falo por mim: vejo uma nação que não valoriza e resguarda os direitos de seus cidadãos. Vejo nossos governantes  irresponsáveis pensando somente em seu proveito próprio. Perdemos a emoção de ver tremular a bandeira nacional, em seu mastro. Perdemos a vontade de cantar o hino nacional e sentir o coração pulsar de orgulho. Perdemos a referência de uma nação interessada em promover a paz, salvaguardar os direitos e amparar "seus filhos". 
Como resgatar tudo isso novamente? 
"Querido símbolo da terra, da amada terra, do Brasil".

Leia Também 16º Domingo do Tempo Comum. Teve compaixão Vantagens do Programa Sustentabilidade Ambiental Empresarial Um Fusca com roupa de Jipe