E agora, Luiz Inácio?

Postado por: Dilerman Zanchet

Compartilhe

A semana foi decisiva para a vida política do ex-presidente Luiz Inácio e para seu partido, que iniciou há cerca de 30 anos, no Brasil, com uma cartilha pragmática e certo de que, através da proliferação de ideias, princípios, valores éticos e morais, faria uma grande mudança em uma dos maiores países do mundo. Se não economicamente falando, pelo menos em área territorial. E onde há espaço para crescer, há crescimento, desde que haja vontade.

Parou quando se elegeu presidente. Deixou a ética e a moral de lado e tornou-se um partido do pragmatismo, do ideologismo nefasto, do “ajeitar os companheiros”, da boquinha. Dos CCs.

Difícil acreditar que em Brasília, só na cidade, tenhamos 40 mil pescadores e, sequer, um rio. Isso ninguém da corja explica.

Desde o início da Operação Lava-Jato, desencadeada a partir de denúncias de lavagem de dinheiro, chegou-se à maior operação para investigar fraudes em todo o mundo. Esqueçam o que já ouviram ou leram sobre outros crimes de corrupção. A Lava-Jato ainda terá mais uns dois ou três anos de desdobramentos. E muita coisa podre ainda vai sair debaixo do tapete.

As informações, a partir do centro nevrálgico da PF em Curitiba, onde são pensadas as ações, dão conta de que muitos dos que até agora não tiveram nenhuma relação com o crime, deverão ser desmascarados.

O que se viu, até agora, são denúncias com provas cabais e, nem aqui nem na Coreia do Norte, seria possível o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, ou a Justiça Federal, divulgarem ações sem embasamento, sem provas, sem consistência.

Feita a introdução, atinjo a célula nervosa: Lula tem, sim, culpa no cartório.

É a maior imbecilidade pedir provas, dizer que não há provas de seu envolvimento, de sua participação, no esquema montado a partir do mensalão, onde seus “companheiros” lhe levaram livre. José Dirceu, não se enganem, vai sentir ainda a dor da prisão e vai botar a boca no trombone. Está aí mais um caso que vai dar o que falar. É só o tempo quem vai dizer.

Lula mentiu, e os descarados, os demagogos, os hipócritas, travestidos de professores de história ou mesmo escondidos atrás de cargos públicos, mamões dos cofres municipais, estaduais ou federais, terão que engolir. “Aceita que dói menos”. Será por aí.

Está difícil comparar. Não tem como aceitar a provocação diária de alguns travestidos de mortadelas, que nunca frequentaram a fila do INSS (os planos de saúde de suas funções públicas são muito melhores), defenderem um projeto fracassado, calcado e embasado em políticas que se dizem sociais, mas mascaradas pelo dinheiro do contribuinte. Este mesmo dinheiro que paga milhares de aproveitadores, os mamões de outrora que, agora aposentados, defendem o ídolo hipócrita e seus bajuladores.

Depois de tudo isso, provado por A mais B que o tríplex (e, por enquanto, só estão apresentando as provas do apartamento), ainda tem os tapados que dizem que o MPF não provou nada. Ora: Basta conferir nos principais sites de notícias do país que houve uma montagem - bem mal feita por sinal – da declaração do promotor, para amenizar a culpabilidade do acusado.

Há de se esperar, a partir de agora, que a denúncia contra Luiz Inácio seja aceita pelo Juiz Moro e que, em breve, o chefe da quadrilha seja preso. Com ele, que sejam levados todos, mas todos os que se utilizaram de falcatruas e maracutaias com o dinheiro público.

Vamos utilizar a política do “não tenho bandido favorito”. É melhor para o país.

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito