Discutir política faz bem!

Postado por: Ari Antônio dos Reis

Compartilhe

As Paróquias da cidade de Passo Fundo lançaram recentemente um folder orientativo em vista das eleições. Tem como título: “O cidadão consciente participa da política: a Igreja e as eleições de 2016”. 

Apresenta uma breve reflexão sobre o cristão e a política e chama a atenção para o papel específico do prefeito e dos vereadores. Ressalta o papel do bom político e do bom eleitor. Está à disposição nas Paróquias da cidade.

Este material será uma boa contribuição no momento da escolha dos nossos representantes, fato que está movimentando a cidade pois, tanto os candidatos ao executivo municipal, como ao poder legislativo, estão apresentando suas propostas para a população. Isto exige de parte do eleitor um exame criterioso no que diz respeito ao melhor para o município.

Mas é possível pensar em uma dimensão mais ampla. Compreender que a discussão política pode ir além dos momentos eleitorais. A concentração dos debates apenas nestes momentos empobrece a formação política da população e empobrece o debate político. Corremos o risco de tratar de demandas localizadas e não de um projeto para o município.

O compromisso mais efetivo com o agir ser político, portanto, pessoa comprometida com o bem comum, independente da coloração partidária, implica em participar, discutir e opinar sobre aquilo que é importante na vida da população. E esta participação não pode ser delegada a outro. É tarefa de cada cidadão.     

 Por comodismo e pelo histórico autoritário do nosso país nos envolvemos pouco nesta atividade.  As dificuldades que estamos passando em nível nacional e em alguns estados, especialmente no que diz respeito a corrupção, tem como uma das causas a desconexão entre a sociedade civil e os representantes eleitos nas três esferas de poder. Os limites da democracia representativa se ampliam pela nossa relutância em assumir a participação política por comodismo ou preconceito. Isto não é bom.

Discutamos política não apenas no período eleitoral, mas façamos desta uma dimensão do nosso agir cristão. Isto fará bem à nossa cidade e ao nosso pais. 

Leia Também A Justiça injusta 12º Domingo do Tempo Comum O legal, o justo e o moral Semana do Migrante