Separar o Rio Grande do Sul?

Postado por: João Altair da Silva

Compartilhe

Um movimento, altruísta, mas utópico, está chamando a população sulina para uma votação no próximo dia 1º (sábado), a fim de separar o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná do restante do Brasil. Não é um plebiscito oficial, nem haveria autorização legal para isso, é uma iniciativa popular. No site plebisul.org, o leitor pode conhecer os argumentos favoráveis a esse idealismo. Região considerada mais rica do país, aparentemente, teria tudo para formar um país pujante, candidato à lista do 1º mundo.

O novo país já nasceria como um dos mais endividados do mundo. As finanças de Santa Catarina não são das melhores, o Rio Grande do Sul tem uma dívida de quase R$50 bilhões com a União, não consegue pagar a folha dos seus servidores. É um filho da federação que mais cedo ou mais tarde vai ter que ser socorrido por Brasília. Proporcionalmente, é um dos estados que mais contribui com o ônus da previdência brasileira por ter uma população mais longeva. É uma das regiões do país que tem a máquinas pública mais inchada e cara da federação. Imagina uma separação! Brasília “lavaria as mãos”, diria: me pague agora tudo o que me deve e te vire com o custo de tua máquina inchada que anda a passos de tartaruga.

E embora o sul do Brasil concentre alguns pólos industriais como o frigorífico e metal mecânico, o pulmão brasileiro é São Paulo. Os dois principais negócios do mundo, petróleo e automóveis são raros por aqui. Aliás, petróleo nem existe.

Na propaganda falam que a região sul precisa ficar fora da roubalheira! Ora, aqui tem uma dezena de deputados acusados de se apossar de dinheiro alheio, um, inclusive, seria proprietários de apartamento de luxo nos Estados Unidos, outro é acusado de usar dinheiro do povo para comprar drogas, aqui teve caso Detran, operação Zelotes, desvio de dinheiro de mídia no Banrisul, delegado do Ministério da Agricultura demitido por corrupção, policial preso por roubo, tem empresário que coloca veneno no leite das crianças, ou seja, tudo o que os demais estados têm de corrupção, temos também.  

Leia Também 33º Domingo do Tempo Comum. O Enart, de novo! A importância de ter uma recepcionista/secretária preparada em seu consultório. Feito é melhor que perfeito