A qualificação da escola depende de mudanças na concepção

Compartilhe

Algumas diretrizes básicas geradoras de polêmicas radicalizadas, por vezes sectárias, devem ser esclarecidas e pactuadas para que a escola se transforme em espaço de maior relevância humana e social. No desenvolvimento deste texto registramos e tematizamos três: Uma delas está vinculada com a cosmovisão ou visão geral de ser humano; outra com a caracterização da escola nas suas relações com outras referências para a sociedade como a família e o mercado; a terceira está vinculada com a concepção equivocada sobre a dicotomia entre conhecimento e ignorância e entre educar e ensinar.

Para avaliar em que medida uma instituição está em sintonia com o bom desenvolvimento social se faz necessário clarear as compreensões de ser humano que a constitui. O ser humano pode ser compreendido como um indivíduo independente, separado ou acima dos outros indivíduos. Pode ser caracterizado como uma peça de uma engrenagem, cuja função é materializar um pensamento específico, exercer tarefa determinada, adquirir determinado produto ou serviço. Uma terceira definição está vinculada com a singularidade de um ser que não existe sem os outros.

  A construção social da instituição escola, atendeu, historicamente, duas funções principais, que nem sempre convivem com o mínimo necessário de harmonia. Uma está orientada pela formação humana como ser criativo, crítico e solidário. Outra prepara mão de obra e disponibiliza consumidores para a movimentar a economia. Mais recentemente, com a ampliação e cristalização da sociedade de consumo, as crianças se apresentam como referência central no estabelecimento das diretrizes para o comportamento das pessoas. Em consequência desta mudança, vivemos sob a imposição dos desejos das crianças, que são as primeiras e principais “vítimas” do consumismo.

A escola convive com visão maniqueísta, sobre as relações entre crianças e adultos, no tema do conhecimento. Uma que se submete a ideia equivocada de que as novas gerações são mais inteligentes, tornando-as centro das atenções. Outra insiste no comportamento comprometido com a transmissão de conhecimentos previamente estabelecidos e adquiridos por quem já sabe para quem não sabe.  No entanto, a singularidade de cada ser individual, a liberdade e a velocidade das mudanças restringem os espaços para os adultos e para as escolas que se orientam pelo ensino como transmissão de conteúdos preestabelecidos. Em consequência disto, os modelos institucionais de educação apoiados nos referenciais epistemológicos que separam os inteligentes o dos ignorantes e o educar do ensinar, precisam ser superados.

Leia Também História sem fim Ausentes fisicamente, mas presentes na memória! STJ mantém decisão que afasta IR em uso de software por empresa Esperando demônios