Para quem quer comprar um Fusca – última parte

Postado por: Júlio César de Medeiro

Compartilhe

Hoje encerramos nossas dicas para a tão sonhada hora de comprar seu Fusca. Longe de esgotar o assunto, essas singelas orientações que passamos são as mais básicas. Outras tantas pode-se encontrar em sites especializados em automobilismo e mecânica. Esperamos que sejam úteis e ajudem a comprar um bom Fusca. Mas não esqueça: a ajuda e opinião de um profissional mecânico ou chapeador sempre deve ser levada em consideração.

1 – Suspensão: a suspensão do Fusca é um pouco diferente da suspensão dos outros carros. Você vai verificar que as molas helicoidais, aquelas que ficam ao redor do amortecedor, não estão presentes no Fusca. Em vez delas, o Fusca conta com o sistema de feixe de molas na dianteira, dentro do quadro da suspensão e sitema de barras de torça, na traseira. Mas a verificação de seu estado é o mesmo: agarre o parachoques e balance para cima e para baixo. Ao soltar, o carro deve imediatemente voltar ao estado inicial. Se continuar balançando sozinho, significa que há problemas de suspensão, podendo ser amortecedores ou mesmo molas. A troca de 4 amortecedores fica em torno de quinhentos reais.

2 – Freios: freio é item de segurança tão importante quanto pneu. E freio de Fusca tem fama de ser ruim. Essa fama se deve muito mais à pouca manutenção que os donos davam do que propriamente ao sistema de freios do Fusca. Os modelo mais antigos contam com freios a tambor e lonas nas 4 rodas e os mais novos com freios a disco na dianteira e tambor na traseira. O melhor teste é andar com o carro e em um velocidade baixa frear com força. O carro deve responder imediatemente à pressão no pedal e não deve puxar para nenhum lado. Após andar com o carro, verifique logo ao parar se alguma roda apresenta aquecimento desproporcional. Isso também indica problema de freio. Uma revisão geral de freios para um Fusca varia de 300 a 700 reais, conforme as peças a serem trocadas. Fuja das peças genéricas e mecânicos de fundo de quintal se precisar reparar os freios.

3 – Pneus, rodas e estrutura geral: os Fuscas mais antigos, até 1986, vinham de fábrica montados com os chamados pneus diagonais, aqueles mais finos e apelidados de “linguicinha”. Esses pneus deixam o carro mais macio mas também deixam mais difícil de controlar em velocidade maiores, além de terem uma durabilidade reduzida. Os Fuscas fabricados entre 1993 e 1996 já vinham com pneus radiais, mais largos e que dão maior estabilidade ao carro, mas perdem em conforto. O importante é que os pneus não estejam ressecados ou gastos demais. Verifique se estão gastos de maneira uniforme. Assim como pneus e freios, as rodas são itens de segurança. Verifique possíveis soldas, amassados, ferrugens e se são todas iguais ou não. Quanto a estrutura do Fusca, tome um pouco de distância do carro e verifique seu alinhamento em relação ao solo. Olhe a frente, depois a traseira. Carro inclinado indica problema de suspensão ou pior, estrutura comprometida. Procure um profissional antes de fechar negócio para avaliar a situação.

4 – Documentos: neste item reside uma grande dor de cabeça que se pode evitar antes de comprar um carro. Falta de documentos, documentos em nome de terceiros, de pessoas falecidas, multas, impostos atrasados, carro de inventário, restrições judiciais, penhoras, numeração alterada, motor trocado… tudo isso é um problemão que a maioria das pessoas só descobre na hora de transferir o carro, já lá dentro do Detran. Portanto, verifique toda a documentação antes. Se preferir, contrate um despachante de sua confiança para que ele faça esse levantamento.

Semana que vem, NOVIDADES! Grande abraço!


Leia Também Fusca e outros motores GPS é medida útil é barata para o Interior Consciência negra, consciência política! (1) Quem será o novo Presidente do Brasil em 2018?