Liturgia do 28º Domingo do Tempo Comum

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
Em cada relato dos evangelhos nos deparamos com uma mensagem forte e condizente com a nossa vida. Neste domingo, mais uma vez, Jesus nos alerta, segundo evangelista Lucas 17, 11-19 e nos pergunta a quantas anda nossa capacidade de expressar gratidão ao Senhor pelos inúmeros benefícios que temos recebido. O Senhor não cobra nossa gratidão mas devemos sempre fazê-lo por amor a Sua Misericórdia para conosco. Só sabem agradecer aqueles que realmente sabem amar. 
Os leprosos que Jesus curou retratam nossas atitudes perante a misericórdia divina: para pedir, somos incansáveis e insistentes; para agradecer, entretanto, somos lentos e muitas vezes deixamos de agradecer, simplesmente, porque pensamos que Deus é obrigado a nos cuidar e atender nossos pedidos. Ele, sendo nosso Pai, nos deve isso. Quando não alcançamos o pedido feito não temos a capacidade de perceber, muitas vezes, que o recebemos de um modo diferente daquele que desejávamos. Na verdade a graça agiu, em abundância, sobre nós, sem o percebermos. Se não formos capazes de fazer a experiência do amor de Deus e nos sentir "curados" dos nossos males, não merecemos o Seu Amor. e Cuidado. Ele nos cura porque nos ama e não porque tem obrigação conosco.
Sejamos aqueles, para os quais, Jesus diz: "Levanta-te e vai, tua fé te salvou". 
Sabemos que ser fiel a Jesus é segui-lo sempre aceitando a sua Boa Nova. Confiar e deixar que o Senhor tome conta de nossa vida. Entregar à sua Misericórdia nossas dificuldades e saber agradecer sempre por tudo que Ele nos concede e nos permite.
Sabemos que uma fé firme, madura e forte tudo alcança.
Neste final de semana temos ainda a oportunidade de homenagear, publicamente, nossa Mãe Aparecida com a romaria em nossa arquidiocese. Foi em 1930 que o Papa Pio XI proclamou Nossa Senhora Aparecida padroeira do Brasil. 

Leia Também Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais” Passo Fundo Futsal/Fasurgs/Zamil: uma grande equipe nos representou em 2017 A Taça Maldita! Eu só penso naquilo!