Romaria

Postado por: Dom Rodolfo Luís Weber

Compartilhe

Há poucos dias, milhares de pessoas vivenciaram a 36ª Romaria de Nossa Senhora Aparecida, em Passo Fundo. Um acontecimento desta dimensão é possível porque existem os romeiros e os voluntários que se preocupam em servir os romeiros. Sim, os dias do evento passaram, mas a vivência permanece repercutindo na vida pessoal, eclesial e social. Questionar-se sobre o significado espiritual e existencial da romaria permite manter esta grande manifestação de fé no seu rumo. Também é tempo de agradecer.

Quando se observa os romeiros, percebe-se que existem várias manifestações espontâneas para expressar a motivação da participação na romaria. Enquanto uma parte das pessoas quer peregrinar proximamente da imagem de Nossa Senhora Aparecida, outras fazem o caminho sem a presença da imagem. Para alguns caminhar descalços é importante; para os outros não. Algumas famílias vestem as crianças de anjinho ou de Nossa Senhora, outras pessoas usam roupas com a imagem da santa. Uns oferecem flores; outros não. Alguns participam da romaria como voluntários. Para muitos, é fundamental participar da programação oficial da romaria, especialmente a Santa Missa – que é o momento central.

Ressalto que as manifestações espontâneas das pessoas revelam o seu momento existencial e a vivência da fé. Ficam visíveis as manifestações de gratidão e até de profunda dor. As expressões revelam a profunda relação do cotidiano com o religioso. Não é possível separar a busca da transcendência ou de Deus do cotidiano humano.

Alegre e festiva foi a Romaria das Crianças, no dia 12. As crianças da catequese, com o auxílio das catequistas, evangelizaram através do aprofundamento das obras de misericórdia. A chuva fina que abençoava as plantações poderia servir de desculpa para afastar as crianças romeiras, mas elas não deixaram de comparecer.

Também é hora de expressar uma profunda gratidão aos voluntários da 36ª Romaria. Como a lista é muito grande, o agradecimento é em geral, independente do que fez. Há voluntários das primeiras romarias até novatos. São várias equipes de trabalho. O trabalho não é realizado somente no dia, mas começa com as reuniões preparatórias, a limpeza do espaço, a organização, a distribuição das tarefas, as campanhas de doação em toda a Arquidiocese de Passo Fundo.

Aos romeiros talvez fique mais visível o trabalho dos voluntários do que as suas motivações. O voluntário é um devoto, uma pessoa de fé que transforma a sua piedade em serviço. Para exercer bem a sua tarefa ele se prepara espiritualmente, reza, e no dia faz a sua procissão caminhando, às vezes até correndo, de um lado para o outro no serviço que presta.

O voluntário é um evangelizador, pois a romaria anuncia o Evangelho de Jesus tendo por referência a Mãe Aparecida. Acolher bem os romeiros, criar um ambiente favorável, fazer as pessoas sentirem-se bem, fazer da casa da mãe casa de irmãos é evangelizar. É transformar as palavras em obras.

Agradecemos as empresas contratadas, cujos serviços prestados foram pagos. Gratidão à Prefeitura Municipal e todos os órgãos a ela vinculados, gratidão à Brigada Militar e à Polícia Rodoviária Estadual.

Gratidão aos romeiros e romeiras que são a razão de ser do serviço dos voluntários. Invocamos sobre todos, romeiros e voluntários, as bênçãos abundantes de Deus pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida.

Leia Também 3º Domingo do Tempo Comum. Que seja feita justiça no caso “Lula” “A verdade vos libertará” (João 8, 32) Absolver é dar um viva à imoralidade