30º Domingo do Tempo Comum

Postado por: Maria Vani Gehlen Ramos

Compartilhe
Neste final de semana a liturgia nos leva novamente à importância da oração em nossa vida.
O Evangelho de Jesus Cristo, segundo evangelista Lucas 18, 9-14 nos narra a parábola de um piedoso fariseu e um cobrador de impostos que sobem ao templo para rezar. O fariseu orava de pé e agradecia por não ser igual ao cobrador de impostos. Se julgava muito piedoso e justo e se vangloriava diante de Deus pela sua conduta. O publicano ou cobrador de impostos também orava, mas à distancia porque não se julgava digno de se aproximar  e levantar os seus olhos, batia no peito e pedia o perdão e a misericórdia de Deus. Como reagirá Deus diante de duas pessoas de vida moral e religiosa tão diferentes e opostas?
Agradecer na oração isso os dois o fizeram. Quem foi autentico? Penso que o cobrador de impostos que reconhece suas faltas, humildemente. Nossa oração precisa ser humilde, sincera, autentica e confiante.
Somos verdadeiros diante de Deus?Confiamos totalmente em Deus?
Muitas vezes, diante dos nossos pedidos quando não são atendidos imediatamente pelo Senhor perdemos facilmente a fé e a perseverança. Sabemos que o tempo do Senhor não é o nosso. E, sabendo disso precisamos firmemente e confiantemente esperar e rezar sempre nos abandonando, como filhos diletos, nos braços do Pai e esperar. Sabemos também que nossos pedidos e graças que desejamos alcançar podem vir de um modo bem diferente daquele que esperamos. Deus se manifesta em nossa vida de diversas e diferentes maneiras, É necessário que a nossa oração nos traga esperança, paciência e o desejo de seguir o caminho do Senhor, em todos os momentos da nossa vida.
Um bom domingo a todos, na paz do Senhor.

Leia Também Quebra-molas são permitidos, “em casos especiais” Passo Fundo Futsal/Fasurgs/Zamil: uma grande equipe nos representou em 2017 A Taça Maldita! Eu só penso naquilo!